Como a Holcim México está provendo concreto de alta tecnologia para a obra do novo aeroporto do país.

O Novo Aeroporto Internacional da Cidade do México já mundialmente famoso pela sigla NAICM, é a obra civil mais importante do país nos dias atuais e talvez uma das maiores do mundo.

h2

Atualmente, muitas empresas somam esforços em uma variedade de contratos que conformam a Fase 1 do projeto, com conclusão prevista para o ano 2020. Ao final desta etapa, o aeroporto terá uma capacidade para 68 milhões de passageiros por ano, com três pistas pavimentadas em concreto em operação. Já para 2060, o plano contempla a Fase 2, que transformará o NAICM em um aeroporto com capacidade para 120 milhões de passageiros ao ano e seis pistas simultâneas para operação de voos.

A Fase 1 do NAICM deve custar cerca de US$ 9,8 bilhões, de um orçamento público-privado, compartilhado entre a Secretaria de Comunicações e Transportes do governo e o operador Grupo Aeroportuário da Cidade do México.

Com uma verba dessa magnitude e ambições monumentais, o projeto não poderia deixar de contar com alta tecnologia. A Holcim México é parte de um grande grupo de empresas que vêm contribuindo para o avanço desta obra histórica. 

Concretos

A Fase 1 do NAICM tem previsão de consumo de mais de 500.000 m3 de concreto, em várias estruturas. Mas além do volume, impressiona a característica do concreto necessário, dada a geologia do local escolhido para o aeroporto.

Estando sobre o terreno onde antes havia o lago Texcoco, com sua alta concentração de sais minerais, os concretos compostos pela Holcim México são únicos no país. “As soluções para concreto usados para o aeroporto foram desenvolvidas pelo centro mexicano de tecnologia do grupo em conjunto com o centro LafargeHolcim em Lyon, na França. A mistura foi planejada para aguentar condições agressivas de sulfato e ataques de cloretos por 75 anos”, explicou a companhia em um comunicado institucional sobre a sua participação na obra.

Os concretos de Holcim México — fornecidos por uma central de produção montada no local — serão utilizados principalmente para a construção do edifício de terminal de passageiros, cujo formato revolucionário já é famoso pelas artes dos arquitetos Norman Foster e Fernando Romero. Somente as lajes Radier representam uma área de 500.000 m2 a concretar.

O trabalho começou em julho de 2017 para a cimenteira mexicana. Pela sua participação como fornecedora de concreto, a Holcim México ajudará o NAICM a conquistar a certificação LEED de construção sustentável nível Platinum, a mais alta conferida pelo selo do US Green Building Council. Isto porque os concretos de LafargeHolcim possuem a EPD (Environmental Product Declaration), concedida pelo Labeling Sustainability Inc. e o Institute for Environmental Research and Education, ambos baseados em Washington DC. Este selo é uma confirmação de que os concretos usados no aeroporto do México são tão bons quanto — ou até melhores — que os americanos em termos de sustentabilidade.

 

Controle

As duas plantas de produção de concreto que a Holcim México instalou na construção do NAICM são da marca italiana SIMEM. Esta é uma marca mundial de centrais que já realizoiu façanhas na produção de concreto, uma delas na América Latina. A SIMEM instalou uma central especial na expansão do Canal do Panamá que, por cinco anos consecutivos, produziu concreto sem interrupção. Ao final, foram gerados nada menos que impressionantes 5 milhões de metros cúbicos de concreto para as novas eclusas do canal.

A centrais SIMEM trazidas pela Holcim México utilizam um sistema de controle da produção para dar mais precisão ao traço e reduzir os desvios padrão. Se trata do DornerBatch, software de controle digital de produção de concreto da empresa austríaca Dorner. Os sistemas da Dorner têm um histórico de 50 anos apoiando a produção de concreto pré-mesclado e pré-moldado. Este produto específico, o DornerBatch, é um opcional que pode ser implementado em centrais de produção (dosadoras e misturadoras), independente da marca.

A associação com a SIMEM vem construindo a reputação da fornecedora de softwares industriais na América Latina. O épico serviço no Panamá para a ampliação do Canal contou com sistemas de controle de central da Dorner. Assim, neste momento de retorno da atividade na América Latina, é uma empresa a se prestar atenção.

No México, a Holcim é uma importante porta de entrada, já que como representante da maior cimenteira do mundo, tem uma estrutura distinta. São sete fábricas de cimento no México, com capacidade de produção de 12,6 milhões de toneladas ao ano. Nada menos que 35 unidades próprias de concreto dosado em central e 90 centrais de 26 aliados comerciais completam sua presença de mercado.

Tudo isso mostra que quando uma economia está saudável e mantém o seu nível de atividade todos os seus segmentos se beneficiam. A realização deste megaprojeto de infraestrutura no México — um novo aeroporto para 68 milhões de passageiros por ano — é só um exemplo de obra que mobiliza uma quantidade de capital que gera trabalho para toda a cadeia de cimento e concreto. 

Certificação de fornecedores avança no México

Outra iniciativa muito interessante da Holcim México é a certificação de fornecedores locais de concreto. Se trata do programa Concreto Com Qualidade. Recentemente, a certificação de duas novas empresas faz com que sejam 12 as centrais certificadas pela companhia no país.

As novas concreteiras certificadas pertencem às empresas Harmak Materiales e Comarca. A primeira tem fábrica em Pesquería, no estado de Nuevo León, enquanto a Comarca está em León, no estado de Guanajuato.

Por meio do programa Concreto com Qualidade, a Holcim México proporciona às concreteiras certificadas suporte técnico, sistemas de tecnologia de informação, capacitações de pessoal, acesso a informações de mercado e um clube de compras.

A partir do momento que uma fábrica é certificada, a Holcim México passa a monitorá-la, analisando seus resultados constantemente, de modo a manter um alto padrão de produção de concretos. Uma auditoria especializada externa promovida pela empresa Cotecna avalia regularmente as plantas certificadas.

O programa Concreto com Qualidade existe desde 2016 e seu objetivo é ter 20 instalações certificadas em todo o México nos próximos anos.