A italiana Trevi está participando na construção deste importante projeto sanitário argentino.

Trevi pozzo del emisario planta raichuelo   argentina (1)

Poço do Emissário Planta Raichuelo.

A italiana Trevi está participando ativamente de um dos principais projetos de infraestrutura sanitária que atualmente se constrói na Argentina, o Sistema Riachuelo da Água e Saneamentos Argentinos S.A (AySA).

Uma vez em funcionamento, o sistema terá capcidade de transporte e tratamento de 2.300.000 m3/dia (27m3/ seg), beneficiando a cerca de 4,3 milhões de habitantes, além de permitir a expansão do serviço ao sudoeste do Conurbano Bonaerense, para 1,5 milhão de pessoas.

As obras, que demandarão um investimento da ordem de US$ 1,2 bilhão, terão um prazo de cinco anos (estimando-se seu término para o primeiro trimestre de 2021), e poderão gerar em sua fase máxima de execução simultânea mais de 1,5 mil postos de trabalho para operários, técnicos e profissionais de várias áreas.

As obras do sistema se compõem de três contratos:

Colector Margen Izquierda (CMI): É uma obra primária que tem por objetivo principal o transporte de efluentes provenientes da área da cidade de Buenos Aires e parte da região metropolitana, a interceptação dos caudais em tempo seco dos aliviadores pluviais e arroios da Cidade de Buenos Aires que enviam ao Riachuelo, mediante as denominadas obras complementares.

O conduto principal apresenta dois trechos, o CMI 1, com diâmetro interno de 800mm e 1,6 km de comprimento, e o CMI 2, com diâmetro interno de 3.200 mm e 9,5 km de comprimento. Ambos serão construídos integralmente no túnel: o primeiro com metologia manual tradicional e o segundo com uma TBM EPB e colocação simultânea de aduelas pré-fabricadas.

Na continuação do CMI 2 está o Desvio Colector Baja Costanera, que receberá os aportes de alguns coletores para conduzi-los até as futuras instalações de pré-tratamento. Este duto tem um diâmetro interno de 4.500 mm e um comprimento de 5,2 quilômetros, também a ser construídos com TBM.

Planta de pré-tratamento: A planta Riachuelo é parte do sistema de tratamento por diluição que se utilizará para dispor no Rio da Prata uma porção dos efluentes de esgoto transportados pelo sustema troncal que serve a cidade de Buenos Aires e parte da região metropolitana.

As obras compreendem a construção de uma Estação Elevatória de Entrada (EEE), uma Planta de Pré-Tratamento (PPT) e uma Estação de Bombeamento de Saída (EBS) para o Emissário Rachuelo.

A planta tem prevista uma capacidade máxima de tratamento de 27 m3/ seg, e as estações de bombeamento terão cada uma 8 eletro-bombas de eixo vertical em câmara seca de 4,2 m3/seg, a uma altura manométrica de 23m na EEE e de 19m na EBS.

Emissário: O Emissário Ruachuelo deverá assegurar a adequada disposição no Rio da Prata dos efluentes tratados na Planta Riachuelo.

A construção do emissário foi prevista em dois trechos: um duto de transporte, em túnel, de aproximadamente 10,5 km de comprimento e 4.300mm de diâmetro interno, que se estenderá desde a saída da estação de bombeamento da Planta Riachuelo; e um trecho de d,ifusão (continuidade do trecho de transporte) executado em túnel no mesmo diâmetro e com 1,5 km de extensão.

A totalidade deste túnel será construída com uma TBM EPB e uma colocação simultânea de aduelas pré-fabricadas.