A Bolívia está construindo um novo modelo de cidade.

Um ambicioso projeto – o de realizar uma cidade sustentável – é o que está sendo desenvolvido pela Bolívia com sua cidade Nueva Santa Cruz, iniciativa também conhecida como Cidade Produtiva Integrada e que busca se converter em um centro comercial, logístico, turístico e centro financeiro e de negócios na América Latina. O núcleo do projeto fica a 20 minutos de Santa Cruz de la Sierra, próximo ao aeroporto de Viru Viru.

VOLVO-NUEVA SANTA CRUZ-142 - low res

A construção de Nueva Santa Cruz se realizará em fases, e o trabalho de base acaba de começar sua primeira etapa. Para isto, uma variedade de empresas de equipamentos de construção fez ofertas para o serviço, mas foi a distribuidora Toyosa a que venceu a concorrência com uma ‘proposta de venda fechada’ com a Volvo.

O Grupo Lafuente, que está por trás da construção do projeto, junto à sul-coreana LH, Korea Land & housing Corporation, decidiu utilizar as máquinas da marca sueca como a base de todo o parque de maquinário para a construção da nova cidade, e já há mais de 100 unidades da Volvo prontas para operar, entre elas compactadores, carregadeiras de rodas e escavadeiras.

“Foi um verdadeiro desafio fechar este contrato. Todas as marcas lutavam por este projeto e este contrato”, afirma Erick Saavedra, CEO da Toyosa. O executivo de imediato explica por que saíram vencedores: “As máquinas Volvo funcionam independente do clima, mesmo em altitude e secura como em La Paz, ou em terras baixas onde o clima pode ser úmido, como aqui em Santa Cruz”.

Por sua vez, Gerardo Rojas, diretor comercial do Grupo Lafuente, comenta que “a Volvo CE foi um ator crucial neste projeto. Investiram muito esforço no acordo e no projeto de construção da Nueva Santa Cruz”.

Antecedentes do projeto

Santa Cruz de la Sierra, embora não seja a capital da Bolívia, é sua maior e mais populosa cidade. Desde suas origens na década de 60, a cidade começou a crescer, mas isto aconteceu de forma exponencial a partir de 1985 graças às indústrias de petróleo, gás, produção de alimentos e à construção.

O crescimento da cidade e sua localização estratégica no centro da América do Sul (grandes urbes como Bogotá, Buenos Aires, Guayaquil, Lima, Santiago e São Paulo – para mencionar só algumas – ficam a apenas três horas de avião) trouxeram a necessidade de construir este megaprojeto: a Nueva Santa Cruz, a apenas 20 minutos da cidade velha. A visão é criar um centro sul-americano, já que a cidade tem uma boa infraestrutura para todos os países vizinhos.

A Nueva Santa Cruz prevê investimentos de US$ 2,5 bilhões, tem um interessante Plano Mestre que contempla uma superfície total de 6 mil hectares, dos quais 3 mil estarão destinados a áreas residenciais, 700 a áreas comerciais e de negócios, e 2,3 mil hectares de áreas verdes.

Calcula-se o assentamento de 100 mil famílias e uma população de 370 mil pessoas, e são esperadas cerca de 10 mil empresas.

A cidade Nueva Santa Cruz será uma urbe moderna e inteligente, projetada para marcar um fato histórico no desenvolvimento e no planejamento urbano.