Em três anos, novas regras de construção devem estar em vigor.

puertos chile

Há dois anos, a Direção de Obras Portuárias (DOP) do Ministério de Obras Públicas, juntamente com o Instituto da Construção do Chile, estão trabalhando no projeto de elaboração de uma norma construtiva para resistir a terremotos para o setor de obras portuárias, que assegure a permanência, manutenção das características de serviço e capacidade estrutural dos portos do país após os terremotos. Segundo a diretora da DOP, Antonia Bordas, o Chile não tem ainda uma norma sísmica para construção de portos, levando o país a seguir normas de edificações convencionais e padrões internacionais. “Mas é necessário estabelecer uma em particular, já que os portos são infraestruturas diferentes dos edifícios”, disse.

“Esperamos que no ano que vem já possamos trabalhar no desenvolvimento desta norma, para que daqui a uns três anos possamos contar com ela e começar a aplicá-la”, afirmou. Esta nova norma não implicaria modificar as estruturas atuais dos portos chilenos, mas seriam aplicáveis a novos projetos e a ampliações que se desejem realizar.

A diretora da DOP também acrescentou que “atualmente necessitamos buscar os financiamentos para levar a cabo esta iniciativa em sua totalidade, e por isso estamos em conversas com a Corporação de Fomento Produtivo (Corfo), porque para que isso possa se realizar são necessários muitos estudos, como a análise da situação atual dos portos e como estão se comportando frente à norma atual usada no país, e a partir daí produzir a nova norma chilena”.

Sobre o projeto, segundo o Instituto da Construção, não existia uma norma oficial para o desenho de instalações portuárias, e que a construção de portos se realizava de acordo com a norma acordada com o mandante do projeto. Portanto, não era possível ter uniformidade nos critérios de inspeção e operação dos portos.

“É muito importante que tenhamos uma normativa que contemple as características do nosso país, porque a engenharia e normas que existem no Chile são de muito boa qualidade, e portanto, somos capazes de criar nossa própria e não usar as internacionais, que em muitos casos causam controvérsia”, precisou Antonia Bordas.

Atualmente, este projeto de normativa foi percebendo quais exigências devem ser consideradas, tanto em matéria de solos, como análises de laboratório, ensaios de concretos e microvibrações, medições de amortização, entre outros. Assim, a DOP espera continuar este trabalho, de forma a conseguir obter uma norma que se adeque ao país e a infraestrutura portuária do Chile.

Newsletters

O Informativo Semanal de Construção conta com as últimas notícias da indústria mundial, proporcionando uma grande quantidade de informação aos profi ssionais da construção.

Inscreva-se grátis

Newsletters

O Informativo Semanal de Construção conta com as últimas notícias da indústria mundial, proporcionando uma grande quantidade de informação aos profi ssionais da construção.

Vá a Newsletters