Mesmo que caindo 5,2% ante julho do ano passado, a indústria brasileira de máquinas registrou crescimento frente o mês anterior, da ordem de 2,4%, faturando com isso cerca de US$ 1,66 bilhão de receitas combinadas.

maquinaria

A informação é da Abimaq. Segundo a instituição, o baixo crescimento de julho está influenciado principalmente pelo mercado interno. Não obstante o anterior, o acumulado entre janeiro e julho mostrou uma expansão para o setor de 5,8% no ano.

A balança comercial do setor em julho teve saldo negativo, mas as exportações ainda assim cresceram 24,1% com relação a julho de 2018. A mesma taxa de crescimento foi registrada para as exportações em relação ao mês anterior. Já as importações cresceram 11,1% em relação a junho e 19,9% em relação a julho de 2018.

Devido à já permanente crise da América Latina, as vendas do setor de máquinas do Brasil para esta região, que antes eram mais da metade do total vendido pelas empresas, hoje não passam de 31,9%. “O cenário reflete, principalmente nos últimos dois anos, a crise do mercado argentino, que levou às compras de máquinas a cair de 15% das vendas nacionais no exterior em 2017 para 6% este ano”, diz a Abimaq.

Maria Cristina Zanella, Gerente de Competitividade, Economia e Estatística da Abimaq, espera que este ano o setor cresça entre 3% e 4%. “Começamos o ano com uma melhor expectativa, de crescimento de cerca de 5%, mas os números mostram que fecharemos o ano em 3% ou 4%”.

Newsletters

O Informativo Semanal de Construção conta com as últimas notícias da indústria mundial, proporcionando uma grande quantidade de informação aos profi ssionais da construção.

Inscreva-se grátis

Newsletters

O Informativo Semanal de Construção conta com as últimas notícias da indústria mundial, proporcionando uma grande quantidade de informação aos profi ssionais da construção.

Vá a Newsletters