Venezuela deve bilhões a construtoras brasileiras

By Fausto Oliveira22 July 2016

Nicolás Maduro

Nicolás Maduro

A profunda crise da Venezuela está afetando, tal como se previa, empresas internacionais que ainda têm operações no país. De acordo com a imprensa econômica nacional, três das maiores construtoras brasileiras têm a receber do Estado venezuelano uma dívida bilionária.

Apenas a Odebrecht teria a receber do governo do país cerca de US$ 1 bilhão. Disto, 80% seriam correspondentes à construção, que atualmente está paralisada, da hidroelétrica de Tocoma, cujo preço é calculado em US$ 1,2 bilhão e parte teria sido paga.

A Andrade Gutierrez teria a receber um saldo devedor de US$ 550 milhões pela construção da usina siderúrgica José Inácio Abreu e Lima, no estado de Bolívar.

Por sua vez, a Camargo Corrêa teria a seu favor uma dívida pendente do governo venezuelano de cerca de US$ 195 milhões, correspondente a projetos de financiamento e irrigação realizados próximo ao rio Tuy.

A dificuldade financeira da Venezuela se reflete em seus números de crescimento negativo, que em 2015 se contraiu 5,7% e com inflação de 180%, enquanto as previsões do FMI para o país este ano são de nova recessão, agora de 10%.

Mas além disso há o problema da escassez de dólares na economia. O Banco Central da Venezuela não dispõe de dinheiro suficiente em moeda forte para vender ao mercado, que em consequência não consegue honrar seus compromissos internacionais.

REVISTA
BOLETIM
Entregue diretamente na sua caixa de entrada, o Informativo Semanal da Construção traz a seleção das últimas notícias, lançamentos de produtos, reportagens e muito mais informações sobre o setor de infraestrutura na América Latina e no mundo.
Reportagens
A evolução do manipulador telescópico da Skyjack
Skyjack produz uma linha completa de telehandlers com sete modelos
Eletrificação das máquinas de acesso está superando o ímpeto regulatório
Impulso em direção às máquinas de construção elétrica começou com a regulamentação governamental
Dados que impulsionam as máquinas
Como os fluxos de dados de monitoramento podem reduzir custos e emissões de carbono e talvez um dia permitir que as máquinas funcionem por conta própria
CONECTAR-SE COM A EQUIPE
Cristian Peters
Cristián Peters Editor Tel: +56 977987493 E-mail: cristián.peters@khl.com
Wil Holloway Gerente de vendasr Tel: +1 312 9292563 E-mail: wil.holloway@khl.com
CONECTAR-SE COM A MÍDIA SOCIAL