Obras públicas paralisam em quase todo o país

By Fausto Oliveira26 February 2015

monorriel sao paulo

monorriel sao paulo

O Ministério da Fazenda bloqueou provisoriamente R$ 32 bilhões de restos a pagar de 2014 e 2013 do Programa de Aceleração do Crescimento, o PAC. Com isso, o setor de construção sente mais um revés no início de 2015. Devido ao ajuste fiscal e às dificuldades de acesso a crédito por parte das grandes empreiteiras envolvidas na operação Lava Jato, uma série de obras estão paralisando em todo o país.

O corte orçamentário publicado no Diário Oficial no dia 25 de fevereiro atingiu verbas que deveriam ter sido executadas nos dois anos anteriores, mas que não chegaram a serem gastas devido a atrasos na execução das obras, constituindo o que se chama de restos a pagar. Em teoria, são verbas que poderiam ser liberadas este ano. Mas a Fazenda decidiu retê-las. Se até 30 de junho os responsáveis pelos projetos não retomarem ou iniciarem as obras, o dinheiro volta para os cofres da União.

Ocorre que uma retomada ou início não são o cenário mais provável, porque a maioria das construtoras tradicionalmente toma empréstimos para tocar projetos a fim de receber do governo o pagamento com o qual pagam seus custos fixos, os empréstimos e obtêm lucro. Com a atual situação econômica do país, o crédito está caro e escasseando. As incertezas sobre o futuro imediato anestesiam o setor e, além disso, as revelações das investigações da Polícia Federal fecham cada vez mais portas dos bancos a um grupo importante de construtoras.

O resultado desse contexto, que além do ajuste fiscal e da operação da PF, ainda inclui a não votação do orçamento de 2015 pelo Congresso, é a paralisação parcial ou total de uma série de obras públicas em todo o país.

Estado após estado, são cada vez mais comuns as notícias de obras não executadas ou que pararam durante o processo. A construção do monotrilho de São Paulo (foto) diminuiu o ritmo e o sindicato dos empregados na construção afirma que houve demitidos. Em todo o estado, já seriam 25 mil trabalhadores da construção que teriam perdido seus empregos.

Outro exemplo é o estado do Ceará, onde as condições climáticas propiciaram o projeto Cinturão das Águas, para melhorar o abastecimento a um custo de cerca de R$ 1,5 bilhão. O projeto está parado há cerca de 15 dias e a empreiteira já teria demitido algo em torno de 4,5 mil pessoas, de acordo com o sindicato dos trabalhadores da categoria no estado.

REVISTA
BOLETIM
Entregue diretamente na sua caixa de entrada, o Informativo Semanal da Construção traz a seleção das últimas notícias, lançamentos de produtos, reportagens e muito mais informações sobre o setor de infraestrutura na América Latina e no mundo.
Reportagens
Perspectivas econômicas e de construção para a América Central
Scott Hazelton, da IHS Markits, fornece uma análise profunda da situação atual nos países da América Central.
Escavadeiras: Novas energias
Grandes equipamentos estão procurando maneiras de se tornar mais eficientes, produtivas e com menor impacto sobre o meio ambiente.
Versatilidade de carga
Compactas ou enormes, estas máquinas estão ganhando terreno nos principais locais de terraplenagem ao redor do mundo.
CONECTAR-SE COM A EQUIPE
Cristian Peters
Cristián Peters Editor Tel: +56 977987493 E-mail: cristián.peters@khl.com
Matt Burk Gerente de vendasr Tel: +1 312 496 3314 E-mail: matt.burk@khl.com
CONECTAR-SE COM A MÍDIA SOCIAL