Melhorias à vista

11 March 2015

La recuperación de la economía norteamericana fue notoria en la última versión del World of Concrete

La recuperación de la economía norteamericana fue notoria en la última versión del World of Concrete realizada en el mes de febrero, en Las Vegas.

A economia norte-americana está atravessando um momento de plena recuperação. As perspectivas gerais são positivas e os sinais de um melhor desempenho já se fazem sentir. O clima de otimismo era palpável na última edição da World of Concrete, evento para a indústria do concreto organizado entre 3 e 6 de fevereiro em Las Vegas, Estados Unidos, do qual Construção Latino-Americana (CLA) foi parte.

Longe de ser apenas uma percepção subjetiva, os organizadores de fato fizeram contas alegres com os números disponíveis. Em sua quadragésima primeira edição, o evento conseguiu reunir quase 56 mil profissionais registrados, que frente aos pouco mais de 48 mil presentes à edição de 2014, representaram um crescimento de 16,7% no público. Este ano, também houve 200 empresas expositoras a mais do que no ano passado. A quantidade de seminários aumentou em 23% e 100 mil metros quadrados foram adicionados à área de exposição.

“O entusiasmo e a energia que vimos na WoC este ano foram sem comparação. Estamos muito satisfeitos com os resultados em todas as categorias do evento, e com os números que só cresceram. Estes aumentos não só mostram o valor do evento para as indústrias de concreto e alvenaria como também apontam que a indústria está forte e preparada para um grande sucesso em 2015”, afirmou Tom Cindric, vice-presidente da Informa Exhibitions US Construction & Real Estate, empresa promotora da feira.

Apesar disso, a presença latino-americana na exposição foi discreta. A Odisa, empresa mexicana fabricante de equipamentos para concreto, foi uma das poucas marcas regionais que esteve presente no show, no qual ela mostrou sua usina dosificadora 6LP (veja entrevista com o presidente da empresa na próxima reportagem). Isso pode ser um sinal do momento econômico frágil vivido por muitas das economias da região, como são o caso do Brasil e do Chile.

Em resumo, diante do cenário norte-americano mais promissor que nos últimos anos, as principais empresas do mundo do concreto fizeram sua parte e trouxeram para a feira importantes anúncios de lançamentos e expuseram suas máquinas.

Exposição

A Gomaco apresentou em seu estande uma de suas últimas novidades: a pavimentadora GT-3600. Com largura de transporte de 2,6 metros, comprimento de 5,3 metros e altura de 2,5 metros, o equipamento tem três esteiras tracionadas por engrenagem e acionadas hidraulicamente, com 1,6 metros cada. Segundo a fabricante, a direção nas três esteiras (ATS) reduz o tempo necessário para transportá-la no local de trabalho e para carga. A capacidade de manejar as três esteiras permite precisão de movimento mesmo em raio curto.

Para obter uma maior mobilidade, além de dispor de várias velocidades de funcionamento entre 13 e 38 metros por minuto, o transportador de carga de 4,57 metros de comprimento e 610 milímetros de largura é impulsionado hidraulicamente, é reversível e conta com uma tremonha para aumentar a produção.

Para aplicações de pavimentação 3D, assim como a GT-3600, todas as pavimentadoras da marca exibidas na feira contavam com o sistema de controle GOMACO G+. O sistema tem uma biblioteca de sensores para controle da inclinação, grau e condução com configurações pré-estabelecidas para se adaptar a qualquer tipo de projeto. De acordo com a companhia, ele se integra aos principais sistemas de guia 3D, incluindo os da Topcon, Leica Geosystems e Trimble.

Outra pavimentadora que debutou na World of Concrete foi a Gomaco Next Generation Comander III. O novo design incorpora melhorias na visibilidade, segurança e rendimento. A nova versão da máquina tem novo desenho de cabine e plataforma de operador com novo console de controle, e posto de controle isolado para eliminar vibrações.

A colocação do motor no chassi permite ao operador mais visibilidade. Outra novidade desta nova edição da máquina é um sistema de refrigeração otimizado com ventilador hidráulico controlado pelo G+, para adaptar as necessidades de refrigeração às condições de local de trabalho. Por fim, o fabricante assegura que foi melhorada a eficiência de combustível com um motor de otimização de energia e circuitos hidráulicos sensíveis à carga. A maior capacidade de combustível permite até um dia de pavimentação ininterrupta.

Por sua vez, o grupo alemão Wirtgen apresentou sua nova série 90i SP. Com larguras de pavimentação de entre 1,82 e 9,14 metros, a gama inclui os modelos 92i SP e 94i SP. A nova geração proporciona aos equipamentos um maior rendimento e entre suas características se destaca o Modo Eco, que permite coordenar automaticamente a potência do motor com os requisitos de rendimento da obra, o que agrega eficiência ao equipamento através da redução do consumo de combustível.

Além disso, as pavimentadoras oferecem um sistema de diagnóstico melhorado que permite maior rapidez na consolidação da informação proveniente dos sensores.

As novidades da série 90i SP não foram o único apresentado pelo grupo alemão. Em seu estande na área externa, a empresa fez demonstrações do sistema Wirtgen Autopilot em uma distribuidora de forma deslizante modelo 25i. Trata-se de um sistema de controle remoto (para uso com os modelos Wirtgen SP 15i, 15/ SP e SP 25/25/i), que busca diminuir os custos de construção e o tempo de preparação.

O piloto automático está baseado em um sistema GPS, o que segundo a empresa assegura maior precisão e eficiência na pavimentação da forma deslizante, independente de se são colocados perfis retos ou trajetórias curvas mais complexas.

Uma das vantagens competitivas deste sistema é que ele evita a necessidade de estabelecer um modelo digital do terreno. Segundo explicam os especialistas da Wirtgen, isto se deve a que a programação completa é estabelecida com o uso de um medidor móvel, ou simplesmente utilizando os planos de obra para capturar as coordenadas, prescindindo assim do uso de um topógrafo.

O sistema de piloto automático se utiliza de um computador integrado à máquina e um painel de controle que permitem uma direção intuitiva. Dois receptores GPS montados no equipamento se comunicam com uma estação de GSP adicional montada no local. Para o controle preciso do grau, usa-se um sistema laser ou sensor ultra-som. O software de controle do equipamento é de propriedade do fabricante.

O público também pôde ver o estande da Putzmeister, onde foram exibidos modelos de misturadores de concreto da série Bridge Maxx.

Os caminhões têm o sistema de controle de mistura Ergonic (EMC, na sigla em inglês), que segundo a empresa garante a qualidade do transporte do concreto durante o transporte da usina de processamento até o local do serviço. O sistema EMC é inteligente, e pode ser programado para se adaptar a necessidades específicas. Pode ser operado no automático ou manualmente.

O controle compensa a velocidade do motor com a saída da bomba hidráulica para obter uma velocidade de tambor adequada, enquanto assim se reduz o desgaste da caçamba e se economiza combustível. Também se podem programar as velocidades mínima e máxima do tambor de acordo com a preferência da usina de processamento do concreto, e as incertezas se eliminam graças a uma tela que mostra a velocidade em tempo real.

Segundo afirmou Kevin Shaberm, gerente de produtos de concreto da companhia, após 18 meses de testes, os equipamentos da série mostraram que os componentes do eixo dos caminhões sofreram pouco desgaste, e as análises prognosticaram ao menos dez anos de vida para os braços. “Os resultados dos nossos testes superaram nossas mais altas expectativas, tanto em termos de confiabilidade como de durabilidade”, afirmou ele.

Maior bomba de concreto da América Latina esteve na obra do metrô de São Paulo

A bomba de concreto sobre caminhão Putzmeister 63Z-Meter, considerada a maior na América Latina, foi selecionada para trabalhar na obra da estação Moema, na linha 5 do metrô de São Paulo.

A máquina foi escolhida pelo pessoal de engenharia do Consórcio Heleno Fonseca/ Tiisa, e está sendo operado pela RentalMix. Com uma lança de quase 62 metros, sua tarefa é a de transportar o concreto a uma profundidade média de 25 metros – equivalente a um edifício de oito andares – e bombear até 160 metros cúbicos de concreto por hora.

Segundo representantes do consórcio, o modelo foi escolhido para a aplicação devido a sua longitude de lança e capacidade de bombeamento. O equipamento pode chegar a zonas que as bombas tradicionais não alcançam, gerando assim grande economia de tempo.

“Até pouco tempo, as bombas estacionárias, ou bombas a reboque, eram utilizadas para este tipo de aplicação. Mas a 63Z é realmente mais eficaz em alguns aspectos, já que não requer montagem de tubulação de aplicação e também proporciona uma maior capacidade de bombeamento”, explica Rodrigo Sátiro, diretor de vendas da Putzmeister Brasil.

A estação está sendo construída com o método de corte e tampa, no qual se abre um grande vão com paredes laterais de concreto e ferro. Posteriormente, se formam os túneis através dos quais finalmente passa o metrô. Para garantir que o abastecimento de concreto fosse suficiente, utilizaram-se cerca de 40 betoneiras, que ocuparam todo um quarteirão na área de trabalho. A linha 5 do metrô está funcionando num trecho de cerca de oito quilômetros. A totalidade do projeto inclui 11 novas estações. A linha terá pontos de integração com as linhas 1 e 2.

Primeiras betoneiras da Putzmeister México chegam ao mercado

Um dos fabricantes de maquinário que aproveitou a ocasião da WoC para fazer importantes anúncios foi a Putzmeister. A marca alemã comunicou que sua divisão mexicana começou a produzir betoneiras para os mercados dos Estados Unidos e da América Latina.

A primeira unidade fabricada pela Putzmeister México foi exibida na recente convenção da Associação Mexicana de Ready Mix, evento celebrado em Cancún.

“Nós reconhecemos que o segmento de concreto é muito competitivo, mas ainda assim acreditamos que o reconhecimento da nossa marca e sua história de produtos de altíssima qualidade, bom serviço de pós-venda e fornecimento de peças de reposição farão com que nossas betoneiras sejam a opção escolhida pelos clientes”, disse na ocasião Marcos Aguilar, vice-presidente de vendas para América Latina e Caribe.

A fábrica localizada na cidade de Monterrey estará em plena produção durante os próximos meses, segundo garantiu a empresa. A Putzmeister também informou que está em processo de busca de distribuidores para estes equipamentos “em determinados países da região latino-americana”.

Próximas WoC

Aproveitando os resultados positivos deste ano, a organização da World of Concrete já anunciou as datas para as próximas edições do evento.

Em 2016, a feira será realizada entre 2 e 5 de fevereiro, com seminários entre 1 e 5 do mesmo mês. O lugar do evento será o Centro de Convenções de Las Vegas, o mesmo que sediou o evento este ano.

Já em 2017, a WoC acontecerá em janeiro, entre os dias 17 e 20, com seminários entre 16 e 20 do mesmo mês.

BOLETIM
Entregue diretamente na sua caixa de entrada, o Informativo Semanal da Construção traz a seleção das últimas notícias, lançamentos de produtos, reportagens e muito mais informações sobre o setor de infraestrutura na América Latina e no mundo.
CONECTAR-SE COM A EQUIPE
Cristian Peters
Cristián Peters Editor Tel: +56 977987493 E-mail: cristiá[email protected]
Simon Kelly Gerente de vendas Tel: 44 (0) 1892 786223 E-mail: [email protected]
CONECTAR-SE COM A MÍDIA SOCIAL