Mais um ano de recessão

By Cristián Peters02 August 2016

La economía de la región se contraería un 1,3% este año, una caída más pronunciada que el descenso d

La economía de la región se contraería un 1,3% este año, una caída más pronunciada que el descenso del 0,7% del año pasado. Pero el próximo año sería mejor

Dois anos consecutivos de redução econômica não aconteciam para a América Latina e Caribe há mais de 30 anos. E de acordo com a previsão do Banco Mundial, em seu informa Perspectivas Econômicas Mundiais, a contração econômica da região este ano seria de 1,3%, portanto pior do que o 0,7% negativo que a região amargou no ano passado.

A América do Sul tem o pior deste pacote de horrores, com queda de 2,8% em 2016. Em contraste, a América Central e o Caribe, devido a seus vínculos com os Estados Unidos e a sólidas exportações, verão um crescimento de 2,7% e 2,6% respectivamente.

E por que a América do Sul está em tão profunda crise? Resposta simples: “os desafios domésticos do Brasil e da Venezuela, assim como os ajustes macroeconômicos experimentados pela Argentina, cobraram sua taxa ao crescimento regional”, indica o informe.

Isto, somando-se a outros fatores como a queda do preço das commodities, também provocou que a aversão ao risco se disparasse no início do ano. Apesar disso, as taxas nominais de câmbio e de títulos das dívidas nacionais se recuperaram, e em grande medida já atingiram os níveis verificados no final de 2015.

O ano que vem se projeta melhor, com crescimento de 1,2% para a região, para então entrar em 2018 já sem nenhum país em recessão, e uma expansão regional de 2,1%.

Estas perspectivas algo mais otimistas acontecem em função de uma incerteza um pouco menor nas políticas internas dos países, e à estabilização dos preços das matérias-primas. Além disso, o Banco Mundial adverte que o uso de políticas fiscais expansionistas será limitado, devido aos menores preços das commodities, menores níveis de arrecadação e aumento nos déficits públicos em alguns países.

Analisando a e situação econômica por região, é justo a América do Sul que sustenta esse panorama, por ter depois de dois anos de recessão, projeção de crescimento de 0,5% em 2017, para chegar a 1,8% em 2018. Por sua vez, a América Central e o Caribe ficarão em torno de 3% em 2017 e 2018.

Dívida

Segundo o informe, a dívida como porcentual do PIB aumentou na maioria dos países, sobretudo em moeda estrangeira a longo prazo. O volume de dívida com vencimento em 2017 também cresceu, exercendo pressões adicionais para obter financiamento.

Os níveis de dívida bruta em toda a região passaram de uma média de 51,3% do PIB em 2014 para 58,2%. Novamente, foi a América do Sul onde houve o maior crescimento de dívida pública, com uma alta de oito pontos porcentuais em 2015, enquanto na América Central ela aumentou uma média de quatro pontos.

Mundo

Em nível global, o Banco Mundial prevê um crescimento econômico de 2,4%, levemente inferior aos 2,9% previstos no informe anterior, de janeiro deste ano. Esta porcentagem revelaria o menor crescimento mundial desde a crise de 2009, e uma expansão nula em relação ao ano passado. Isto como consequência do lento crescimento das economias avançadas, dos preços persistentemente baixos dos produtos básicos, o tímido comércio global e à diminuição dos fluxos de capital.

REVISTA
BOLETIM
Entregue diretamente na sua caixa de entrada, o Informativo Semanal da Construção traz a seleção das últimas notícias, lançamentos de produtos, reportagens e muito mais informações sobre o setor de infraestrutura na América Latina e no mundo.
Reportagens
AMMANN: Soluções competitivas e integradas
Com uma linhagem familiar de sucesso, a Ammann se destaca no cenário internacional desde 1869. Hans-Christian Schneider, atual CEO da Ammann, é a sexta geração a administrar a empresa que mantém sua curva de crescimento e notoriedade.
Por que a medição de tráfego é importante?
Como o fornecedor de infra-estrutura Caltrans leva o monitoramento de tráfego para o próximo nível com as Estatísticas KiTraffic da Kistler
CONECTAR-SE COM A EQUIPE
Cristian Peters
Cristián Peters Editor Tel: +56 977987493 E-mail: cristián.peters@khl.com
Matt Burk Gerente de vendasr Tel: +1 312 496 3314 E-mail: matt.burk@khl.com
CONECTAR-SE COM A MÍDIA SOCIAL