Guindastes e equipamentos Cruz del Sur: Elevação Regional

By Cristián Peters Quiroga12 October 2021

Torre Atrio Bogotá Colombia Por meio da Colgrúas, a empresa possui uma frota especializada de mais de uma centena de guindastes de torre na Colômbia.

Grúas y Equipos Cruz del Sur é uma empresa chilena fundada em 2016 para unificar o trabalho de mais de 40 anos de suas subsidiárias como ETAC e MCS. O conglomerado, que hoje também conta com outras empresas como a Colgrúas e a ESE Maquinarias, se especializou em equipamentos de elevação, dedicando-se ao aluguel, venda e prestação de serviços de máquinas como guindastes de torre, automontantes, hidráulicos, elevadores de trabalho e plataformas aéreas., além de outros equipamentos como empilhadeiras, geradores, plataformas aéreas e elevadores de pessoas.

A CLA conversou com Joaquín García de Solminihac, gerente geral corporativo e diretor da Cruz del Sur para saber mais sobre as atividades da empresa.

Como foi o desenvolvimento de 2021?

Tendo em conta que 2020 foi um ano muito complicado, não só financeiramente, mas também operacionalmente dadas as restrições impostas pelas autoridades, este ano permitiu-nos voltar a operar com uma certa normalidade aplicando todos os protocolos de saúde impostos pelos nossos clientes, as autoridades e por nós mesmos. Nossa prioridade tem sido minimizar os riscos de contágio para nossos funcionários e suas famílias. Isso se soma ao nosso foco prioritário em segurança, marcando um marco de 600 dias sem acidentes no Chile entre 2019 e 2021.

Com o exposto, permitiu-nos recuperar as ocupações em gruas torre, elevadores, gruas hidráulicas e camiões grua, embora ainda abaixo dos nossos níveis médios históricos. Tem sido transversal onde atuamos: Chile, Peru e Colômbia.

Como você vê o cenário nesses três países?

Proyecto Ampliación Aeropuerto Os guindastes MCS Liebherr participam da ampliação do Aeroporto Arturo Merino Benitez, em Santiago, Chile.

Em cada país as realidades são diferentes. No Peru vemos uma atividade mineira bastante forte e estamos presentes em projetos importantes como Quellaveco, Mina Justa, Toromocho e Antamina, entre outros; além da Ponte Nanay, principal obra da Amazônia e a maior ponte do Peru.

Enquanto isso, na Colômbia, embora estejamos participando de vários projetos 4G como Autopistas Conexion Norte e Autopistas del Río Magdalena 2, também vemos muita atividade na mineração de carvão, nas minas Cerrejón e Drummond, e em Cerromatoso, no ferro -caso de níquel, além de obras de infraestrutura como o Metrô de Bogotá.

Finalmente, no Chile, temos participado ativamente de projetos como a expansão da fábrica de celulose Arauco (MAPA), com clientes como as construtoras Echeverría Izquierdo, SK Ingeniería & Construcción e Vial y Vives; e na mineração temos atuado em Quebrada Blanca, Pelambres e Codelco, além de obras de poços e estações para a expansão do Metrô.

Como a frota de equipamentos da empresa evoluiu?

Puente Nanay Perú A ETAC faz parte da construção da Ponte Nanay, principal obra da Amazônia e a maior ponte do Peru.

Há alguns anos, buscamos uma diversificação em equipamentos que permita aos nossos clientes melhorar sua produtividade nos canteiros de obras, o que por sua vez nos permite acessar projetos maiores e mais sofisticados. Incorporamos em nossa frota guindastes sobre caminhões, guindastes de torre com mais de 20 toneladas e guindastes oscilantes de 8 toneladas.

Além disso, agregamos uma linha de empilhadeiras elétricas, com tecnologia de bateria de lítio, que nos permite acessar clientes em setores que não atuávamos, como o de logística. Tudo isso somado a serviços de valor agregado como telemetria, uso de câmeras e sistemas de segurança anticolisão.

O anterior não responde necessariamente a uma reativação de projetos, mas sim a novas necessidades dos nossos clientes, que procuram baixar os seus custos de produção com informação complementar que lhes permita reduzir a variabilidade do seu andamento e com um elevado padrão de segurança para os seus trabalhadores.

O que aconteceu em termos de receita?

Levando em consideração que entre abril e junho de 2020, ocorreram quarentenas estritas no Chile, Peru e Colômbia, a receita deste 2021 cresceu na ordem de 40%, embora esperemos que até o final do ano esse crescimento se normalize em torno de 25%. Isso considera que o sol peruano e o peso colombiano sofreram fortes desvalorizações.

Houve mudanças nas diferentes áreas da empresa (venda, aluguel, serviços)?

Há vários anos, nossos clientes priorizam o aluguel de equipamentos em detrimento da compra, mesmo para projetos de longo prazo e com a utilização de equipamentos específicos que, há alguns anos, poderiam ser considerados estratégicos. Além disso, como indiquei anteriormente, os nossos clientes estão abertos, e até à espera, que os ajudemos a baixar os seus custos, através do aluguer de equipamentos mais potentes, mais rápidos e com tecnologia adicional (telemetria, câmaras) que lhes permite ter mais informações de suas obras.

O exposto faz parte de um ambicioso Plano Estratégico 2020-24, onde a sistematização de processos, a sua automatização e um forte investimento em tecnologia SAP constituem um pilar fundamental. A pandemia acelerou todos os anteriores, a tal ponto que hoje todos os colaboradores da área têm uma conexão aos nossos sistemas de informação integrados através de seus smartphones com aplicativos do tipo Mobile Report, dependendo da área em que atuam, de forma que temos um controle maior e, portanto, captamos eficiências que não tínhamos antes. Temos a convicção de que tudo isso nos permitirá enfrentar melhor todos os desafios que nos serão apresentados.

Quais são as principais lições deixadas pela pandemia?

São muitas! A principal delas é que quando um esforço adicional precisa ser feito, os trabalhadores, em qualquer nível hierárquico dentro da empresa, dizem ‘presente’. A segunda é que a empresa, independente do porte, deve ser flexível, tanto em seus processos quanto na tomada de decisões. A incerteza gerada por uma pandemia como a que vivemos impede que qualquer preparação prévia para enfrentá-la seja bem-sucedida, se como empresa não existe um “controle da cintura” em todos os níveis.

O que se espera para o resto do ano e para 2022?

Anos complexos se avizinham em nossos países, com mudanças políticas que podem influenciar fortemente seu futuro econômico. Apesar disso, vemos que as necessidades de habitação e infra-estruturas estão a ser satisfeitas com considerável força, o que permitirá aos nossos clientes ter uma grande carteira de obras que por sua vez nos permitirá resolver as suas necessidades de equipamentos e máquinas.

REVISTA
BOLETIM
Entregue diretamente na sua caixa de entrada, o Informativo Semanal da Construção traz a seleção das últimas notícias, lançamentos de produtos, reportagens e muito mais informações sobre o setor de infraestrutura na América Latina e no mundo.
Reportagens
Calac+: Reduzindo as emissões
A Cooperação Suíça está comprometida com a redução das emissões poluentes na América Latina.
Foco Chile: Investimento austral
Não é de surpreender que os projetos de mineração continuem a ser um dos principais impulsionadores da carteira de planos de infraestrutura do Chile.
A FPT Industrial carrega seus motores multicombustíveis
Atendendo a uma ampla gama de indústrias, a empresa inova continuamente em novas tecnologias.
CONECTAR-SE COM A EQUIPE
Cristian Peters
Cristián Peters Editor Tel: +56 977987493 E-mail: cristián.peters@khl.com
Wil Holloway Gerente de vendasr Tel: +1 312 9292563 E-mail: wil.holloway@khl.com
CONECTAR-SE COM A MÍDIA SOCIAL