Guerra na Ucrânia: o impacto na construção

By KHL editorial staff28 February 2022

Nas notícias a seguir, forneceremos atualizações sobre as implicações mais amplas para a indústria da construção da invasão russa da Ucrânia. Se você quiser fornecer informações ou comentários, envie um e-mail para: murray.pollok@khl.com, mike.hayes@khl.com, leila.steed@khl.com

Quinta-feira, 10 de março

Caterpillar suspende fábricas russas

A Caterpillar, maior fabricante de construção do mundo, divulgou um comunicado sobre a situação na Ucrânia, que inclui informações de que a empresa está suspendendo as operações em suas instalações de fabricação russas. A Caterpillar disse que “as operações na Rússia se tornaram cada vez mais desafiadoras, incluindo interrupções na cadeia de suprimentos e sanções, e estamos suspendendo as operações em nossas instalações de fabricação no país”.

A declaração acrescentou que a Cat estava “cumprindo todas as leis aplicáveis ​​e sanções em evolução, mantendo o foco em nossos funcionários, revendedores e clientes”. A empresa acrescentou que, por meio da Caterpillar Foundation, está doando mais de US$ 1 milhão para apoiar as necessidades urgentes e de longo prazo da crise humanitária na Ucrânia.

Quarta-feira 9 de março

Generac interrompe entregas para a Rússia

O fabricante americano de motores e geradores Generac Holdings é o mais recente a reagir à invasão russa da Ucrânia.

A empresa com sede em Wisconsin anunciou que, com efeito imediato, suspenderá temporariamente as operações e vendas de sua filial na Rússia. “Generac se une à comunidade global ao denunciar os ataques do regime russo à Ucrânia”, disse Aaron Jagdfeld, presidente e CEO da Generac. “Nossos corações estão com o povo ucraniano e nos solidarizamos com outros ao redor do mundo para pedir paz.”

Terça-feira, 8 de março

Tadano comenta sobre a Ucrânia

O Tadano Group disse que o envio de produtos e peças para “Rússia, Bielorrússia e a autoproclamada ‘República Popular de Donetsk’ e ‘República Popular de Luhansk’ estão suspensos até que o conflito militar entre a Rússia e a Ucrânia seja concluído”.

A empresa acrescentou que “o Grupo Tadano oferece sua fervorosa esperança de que todos vejamos o rápido retorno a um mundo pacífico e seguro o mais rápido possível”.

Terça-feira, 8 de março

Mammoet avalia o futuro na Rússia

Mammoet disse que não realizará novos investimentos, novos projetos ou novas exportações para a Rússia e “avaliará nossas obrigações atuais e futuras continuamente à medida que a situação evoluir. Cumprimos integralmente as sanções, tanto em espírito quanto em lei, e garantimos que cumprimos o que fazemos”. A empresa disse que assistiu aos eventos “com tristeza e descrença.

Nossas mais profundas condolências a todos os indivíduos e famílias que buscam segurança, refúgio e paz após a violação da integridade territorial da Ucrânia pela Rússia”. Ele acrescentou que sua primeira prioridade é o bem-estar de seus mais de 1.100 funcionários e suas famílias na região; “Nossas equipes estão trabalhando 24 horas por dia para ajudar a garantir sua segurança, usando todos os recursos disponíveis. Manteremos todos os nossos funcionários em toda a região em mente enquanto navegamos nesta crise.”

Terça-feira, 8 de março

Snorkel congela atividades na Rússia

O fabricante de equipamentos de acesso Snorkel, com sede nos EUA, interrompeu todas as atividades comerciais na Rússia e está fornecendo suporte onde pode. “Em relação à Rússia, decidimos congelar nossas atividades comerciais na região quando a invasão começou.

Subsequentemente, as sanções globais eliminaram quaisquer oportunidades de negócios”, disse a empresa. “Estamos dando total suporte, sempre que possível, aos nossos contatos comerciais na região.” Snorkel disse que já houve aumentos de custos após a invasão da Ucrânia pela Rússia. “Os preços da energia já aumentaram em relação à situação”, acrescentando: “Até agora, o aço não foi afetado diretamente por esta crise”.

Segunda-feira, 7 de março

Hitachi divulga comunicado sobre a Ucrânia

A Hitachi Construction Machinery disse que está encerrando suas operações na Rússia, mas continuará monitorando os desenvolvimentos na Rússia e na Ucrânia, esperando uma solução pacífica.

Em seu comunicado, a Hitachi disse que “nossa maior prioridade é a segurança de nossos acionistas, incluindo nossos funcionários do grupo e suas famílias, clientes, distribuidores e parceiros da cadeia de suprimentos. (...) A Hitachi Construction Machinery tomou a decisão de interromper gradualmente a produção da Hitachi Construction Machinery Eurasia LLC, sua sede regional responsável pela fabricação e vendas na Rússia e na CEI, e suspender as exportações do Japão para a Rússia até novo aviso. , devido aos riscos potenciais associados ao negócio. (...) Estamos comprometidos em tomar as decisões mais apropriadas possíveis com base na coleta de informações e na comunicação próxima com nossas bases em todo o mundo.”

Segunda-feira, 7 de março

Impacto nas economias europeia e mundial

A Economist Intelligence Unit (EIU) disse que a guerra na Ucrânia pode reduzir o crescimento econômico europeu este ano para 2%, abaixo da previsão anterior de 3,9%. Para a Zona Euro, prevê uma redução do crescimento de 4,0% para 3,7%. O crescimento global cairá de 3,9% para 3,4%.

A EIU disse que o crescimento seria afetado por interrupções no comércio e nas cadeias de suprimentos - o fechamento de portos do Mar Negro e problemas na rota terrestre leste-oeste - e preços mais altos de commodities, gás e petróleo. A empresa também prevê inflação global acima de 6% este ano. }

Leitura completa aqui.

Sexta-feira, 4 de março

Komatsu suspende entregas para a Rússia

A Komatsu disse hoje que suspenderá os embarques para a Rússia devido à “atual interrupção da cadeia de suprimentos e à situação financeira e econômica incerta”. Estabeleceu um grupo de trabalho de emergência liderado por seu presidente e CEO, Hiroyuki Ogawa, para coletar informações e discutir quaisquer medidas futuras.

“A Komatsu está profundamente preocupada com a situação atual na Ucrânia e está acompanhando de perto os desenvolvimentos. A empresa espera sinceramente que a situação seja resolvida pacificamente o mais rápido possível”, disse a empresa.

Sexta-feira, 4 de março

Alimak interrompe entregas para a Rússia

A fabricante sueca de equipamentos de escalada e elevação de mastro disse que suspendeu as entregas e vendas na Rússia. “A guerra na Ucrânia é uma tragédia humana e nossos pensamentos e preocupações estão com todos os afetados por esta situação horrível. No Grupo Alimak, monitoramos continuamente os desenvolvimentos. Também estamos monitorando as implicações que isso pode ter para nossos funcionários, parceiros, clientes e operações. Assim, decidimos interromper todas as entregas para a Rússia até novo aviso e não buscaremos mais vendas”, informou a empresa.

Sexta-feira, 4 de março

Comentários de Strabag sobre a guerra na Ucrânia

A empreiteira Strabag, com sede na Áustria, emitiu um comunicado condenando a invasão russa da Ucrânia e disse estar “chocada e horrorizada” com os recentes desenvolvimentos. O empreiteiro disse que falar era importante e queria ser transparente sobre sua estrutura acionária: quase 30% de suas ações são detidas pela empresa russa MKAO Rasperia Trading Ltd, que é de propriedade minoritária do industrial russo Oleg Deripaska. Strabag disse que, sob a lei austríaca, seu conselho administra a empresa de forma independente e “sem instruções do conselho fiscal e dos acionistas da empresa”.

Leitura completa aqui.

Sexta-feira, 4 de março

CNH Industrial doa US$ 500.000

A CNH Industrial, dona dos negócios de equipamentos Case Construction e New Holland, disse que estava doando US$ 500.000 para apoiar os ucranianos afetados pela guerra. Além disso, ele disse que estabelecerá um fundo global para o qual os funcionários podem doar, e a empresa igualará as contribuições. A CNH Industrial tem 38 funcionários na Ucrânia e uma equipe dedicada os apoia ativamente. “Nossos pensamentos e orações estão com todos os afetados e estamos priorizando a segurança de nossos funcionários e suas famílias no país”, disse Scott Wine, CEO da CNH Industrial.

“Estou honrado com a determinação de nossos funcionários em contribuir para ajudar o povo da Ucrânia, que precisa urgentemente de ajuda humanitária. Eu, juntamente com meus 37.500 colegas da CNH Industrial, desejo uma resolução positiva e rápida desta crise que se desenrola”, acrescentou.

Quinta-feira, 3 de março

JCB interrompe embarques para a Rússia

A JCB fez a seguinte declaração sobre a Rússia; “A JCB pausou todas as operações, incluindo a exportação de máquinas e peças de reposição.”

Quinta-feira, 3 de março

Comentário sobre o mercado russo de equipamentos de construção

“De acordo com a Associação de Empresas Europeias, o mercado russo de equipamentos de construção cresceu 48% no ano passado para 21.375 unidades. Isso é baseado em dados coletados de todos os principais fornecedores internacionais que vendem equipamentos na Rússia, juntamente com vários grandes OEMs domésticos, incluindo equipamentos de terraplenagem e construção de estradas”, disse Chris Sleight, CEO da empresa de pesquisa. referindo-se ao setor de equipamentos russo. O ano passado foi o quinto ano consecutivo de crescimento do mercado russo, com o volume de máquinas vendidas quase o dobro da média anual de vendas dos sete anos anteriores.

“A imposição de sanções econômicas à Rússia, em particular sua exclusão das redes bancárias e de pagamentos internacionais, provavelmente fará com que as vendas de equipamentos despenquem este ano. A Off-Highway Research estima que apenas cerca de um terço dos equipamentos vendidos na Rússia sejam fabricados no país (embora seja difícil mensurar com precisão, devido ao grande número de fabricantes locais)”, explica o executivo.

“Acreditamos que, mesmo sem sanções direcionadas contra equipes de construção ou fabricantes que suspendam voluntariamente as vendas, as remessas para a Rússia provavelmente cessarão devido à incerteza sobre o pagamento. Também observamos que a deterioração da situação econômica na Rússia provavelmente levará a uma queda acentuada na demanda por equipamentos.”

Quinta-feira, 3 de março

“Podemos assumir as consequências econômicas” Riccardo Viaggi, secretário-geral do CECE (Comité Europeu de Equipamentos de Construção), disse hoje que é impossível medir as consequências económicas da invasão russa da Ucrânia neste momento, mas insistiu que “podemos assumi-las”.

Ele estava falando em um webinar da CECE, durante o qual admitiu que “a Rússia é um grande fornecedor de materiais e um grande mercado de exportação”. Respondendo a uma pergunta sobre se a guerra na Ucrânia poderia afetar a produção de equipamentos de construção, ele disse: “Sabemos que esses trágicos eventos terão consequências econômicas negativas ... e as sanções e tensões políticas tornarão difícil para a Rússia e a Europa fazer negócio.”

No entanto, ele enfatizou, isso não foi significativo quando comparado à “perda de vidas e meios de subsistência” dos envolvidos no conflito. “Esperamos que as ferramentas de previsão relevantes, mas ainda modestas, que temos nos dêem uma pista sobre para onde o sentimento está indo, esperamos ter uma maneira de monitorar isso”, acrescentou.

Quinta-feira, 3 de março

Alemanha acelera alternativas ao gás natural russo Após o ataque da Rússia à Ucrânia, a Alemanha acelerou os planos para construir seus primeiros terminais de transporte de gás natural liquefeito (GNL) para reduzir a dependência do país do gás natural russo. O chanceler Olaf Scholz anunciou o plano durante uma sessão especial do parlamento alemão convocada para discutir a política alemã após a invasão.

A possibilidade de construir um terminal de GNL no porto de Brunsbüttel, na foz do rio Elba, foi discutida pela primeira vez em 2018 e uma licitação foi lançada em 2019. A Alemanha é fortemente dependente do gás russo e o conflito teria acelerado os planos para construir os terminais de GNL, bem como outros projetos energéticos, como os relacionados com as energias renováveis.

Quarta-feira, 2 de março

Aggreko deixará negócios na Rússia

A gigante de aluguel de energia Aggreko venderá seus negócios na Eurásia, que fica principalmente na Rússia. A Aggreko disse ontem que operará o negócio independentemente do restante da Aggreko até que a venda seja finalizada. A receita da região foi de £ 64 milhões em 2020, representando cerca de 5% do total da Aggreko.

“A Aggreko tem responsabilidade com seus 500 funcionários excepcionais na região e continuará a apoiá-los até que uma transação seja concluída”, disse a empresa. Leia a história completa aqui.

Quarta-feira, 2 de março

Empresa controladora da Skyjack promete apoio aos ucranianos

A Linamar Corporation, empresa controladora da Skyjack, prometeu apoiar a causa ucraniana por meio de doações e patrocínio de refugiados. Em uma declaração a seus funcionários, a CEO e CEO da empresa canadense, Linda Hasenfratz, disse que “como todos vimos os eventos que se desenrolaram ao nosso redor nos últimos dias globalmente, não podemos deixar de sentir uma profunda tristeza, preocupação e apreensão sobre a situação na Ucrânia. (...) O fundador de Linamar, Frank Hasenfratz, deixou a Hungria em 1956 depois de ter pegado em armas contra os russos que ocuparam seu país na Revolução Húngara. Ele era um combatente da liberdade e, como tal, não podemos deixar de sentir que devemos apoiar os combatentes da liberdade na Ucrânia”. A empresa disse que faria isso de duas maneiras.

“Primeiro, a Linamar corresponderá a quaisquer doações feitas por seus funcionários em apoio aos esforços humanitários na Ucrânia”. No Canadá, os fundos serão doados à Fundação Canadá Ucrânia (CUF). O governo canadense também se comprometeu a igualar as doações feitas no Canadá, o que significa que o dinheiro doado será quadruplicado antes de ir para a causa. “Em segundo lugar, estamos a trabalhar com a CUF para apoiar os refugiados que chegam ao Canadá e trabalham para a Linamar. Estamos investigando como poderíamos oferecer o mesmo em outros países onde atuamos. Por favor, junte-se a nós no apoio aos combatentes da liberdade da Ucrânia”.

Segunda-feira, 28 de fevereiro

A montadora sueca Volvo Cars disse que suspenderia as remessas de carros para o mercado russo até novo aviso, tornando-se a primeira montadora internacional a fazê-lo, enquanto as sanções sobre a invasão continuam afetando.

A Volvo comunicou que adotou medida nesse sentido enquanto as sanções sobre a invasão da Ucrânia por Moscou aumentam.

Em um comunicado enviado por e-mail, a empresa disse que a decisão foi tomada devido a “riscos potenciais associados ao comércio de material com a Rússia, incluindo as sanções impostas pela UE e pelos EUA”.

“A Volvo Cars não entregará nenhum carro ao mercado russo até novo aviso”, disse a empresa.

Um porta-voz da Volvo disse que a montadora exporta veículos para a Rússia a partir de fábricas na Suécia, China e Estados Unidos.

A Volvo vendeu cerca de 9 mil carros na Rússia em 2021, com base em dados do setor.

Quarta-feira, 2 de março

Dinolift deixa de vender para a Rússia

A fabricante de equipamentos de acesso Dinolift, com sede na Finlândia, disse que não venderá mais seus produtos ou peças para a Rússia ou a Bielorrússia, em resposta ao ataque da Rússia à Ucrânia. “É claro que isso terá um impacto tanto na Dinolift quanto em seus clientes. Mas esse é um preço pequeno a pagar em comparação com o preço que o povo ucraniano e o povo russo comum estão pagando por esta guerra. Esperamos pela paz, mas tememos que a situação piore muito antes de melhorar”, disse Karin Nars, CEO da Dinolift.

A Dinolift tem um distribuidor na Ucrânia, Technopodjem, com sede em Kharkiv, mas não teve notícias deles desde o início dos ataques. “Nossos pensamentos estão com eles e desejamos a eles toda a coragem possível nesta terrível situação”. Quando perguntado como a situação afetaria as operações diárias da Dinolift, Nars comentou: “Os ucranianos são forçados a se concentrar em salvar suas vidas, seu país e sua independência. Eles estão defendendo a democracia com uma coragem incrível. Acho que comprar máquinas não está na agenda de ninguém na Ucrânia no momento. “Quanto à Rússia, a guerra está dificultando muito as empresas e as pessoas na Rússia. Talvez seja o início de uma mudança no país. Os russos que têm contatos internacionais tanto nos negócios quanto pessoalmente devem ser capazes de formar uma opinião objetiva sobre o que está acontecendo agora.”

A Nars acrescentou que a empresa espera que os custos dos componentes e os prazos de entrega aumentem como resultado. “É claro que vão subir, assim como os preços de outras matérias-primas. A logística da cadeia de suprimentos será ainda mais difícil do que já era. “É difícil saber as consequências a longo prazo desta guerra neste momento, mas como sabemos, a incerteza nunca é boa para os negócios”

Terça-feira 1 de março

VDMA sobre o impacto das sanções A organização de engenharia alemã VDMA disse que as sanções econômicas exigirão uma reavaliação fundamental das relações econômicas e comerciais com a Rússia. O diretor executivo da VDMA, Thilo Brodtmann, disse que “as novas proibições de fornecimento de vários produtos à Rússia afetam grandes setores da indústria europeia de engenharia mecânica e de plantas”, acrescentando que “é preciso agora analisar detalhadamente as condições da sanção e sua efeitos. Contra-sanções também são possíveis por parte da Rússia, mas ainda é correto impor duras sanções à agressão contra a Ucrânia.”

Terça-feira 1 de março

Impacto no preço de materiais e cadeias de suprimentos

Associações de construção com sede nos EUA têm falado sobre o impacto da guerra na Ucrânia sobre os preços e a cadeia de suprimentos global já esticada. “O ataque injustificado da Rússia à Ucrânia já elevou o preço do diesel, gasolina e outros produtos petrolíferos usados ​​na construção”, disse Brian Turmail, vice-presidente de relações públicas e iniciativas estratégicas da Associated General Contractors of America (AGC). “A guerra e as contramedidas das nações ocidentais provavelmente afetarão em breve o fornecimento e o custo de materiais e equipamentos, incluindo aço, alumínio, cobre, zinco e níquel”.

Leia a notícia completa aqui.

Segunda-feira, 28 de fevereiro

Declaração da empresa de construção ucraniana Kyivmiskbud

A Kyivmiskbud, com sede em Kiev, uma das maiores construtoras e empreiteiras do país, divulgou a seguinte declaração no sábado: “Kiev é uma cidade construída por nós. Desde 1955, Kievmiskbud vem reconstruindo a capital desde a última guerra. E estamos prontos e vamos fazê-lo novamente. Mas o principal por hoje é defender nossa cidade e nosso país! “Desde o primeiro dia, muitos [de nossos] funcionários estiveram nas fileiras da defesa territorial. Alguns patrulham a cidade à noite, outros ajudam o exército como podem, até financeiramente… Somos fortes, vamos resistir!”

Segunda-feira, 28 de fevereiro

Preocupações com o projeto nuclear de 18 bilhões de euros da Turquia

O futuro parece incerto para a usina nuclear de Akkuyu, na Turquia, que está sendo construída pela Rússia. Apenas um dia antes da invasão da Ucrânia por tropas russas, Anastasia Zoteeva, diretora executiva da usina, discutiu o cronograma do projeto de € 18 bilhões com o canal de notícias da Turquia NTV, dizendo que o plano era concluir uma de suas quatro unidades de energia a cada ano. , entre 2023 e 2026. A estatal russa de energia nuclear Rosatom tem uma participação de 99,2% no projeto.

Segunda-feira, 28 de fevereiro

Empresas avaliam envolvimento da Rússia

A Reuters informou que BP, HSBC e a maior empresa de aluguel de aeronaves do mundo, AerCap, estão entre as empresas que pretendem sair da Rússia na segunda-feira, após a invasão da Ucrânia. Ele informou que o fundo soberano da Noruega, o maior do mundo, venderá seus ativos russos, no valor de cerca de US$ 2,8 bilhões, enquanto o fundo soberano da Austrália disse que planeja reduzir sua exposição a empresas listadas na bolsa de valores russa. A agência de notícias acrescentou que o grupo de transporte Maersk disse que estava considerando suspender todas as reservas de contêineres dentro e fora da Rússia, e duas das maiores empresas de logística do mundo, United Parcel Service Inc e FedEx Corp, com sede nos EUA, disseram que estavam suspendendo as entregas para a Rússia. e a Ucrânia.

Segunda-feira, 28 de fevereiro

Usina nuclear de Bangladesh pode ser adiada

Guerra em Kiev no domingo, 27 de fevereiro. (Foto: Reuters.)

Um exemplo das implicações mais amplas relacionadas à construção da crise na Ucrânia é fornecido por notícias de que a Usina Nuclear de Rooppur (RNPP) em Bangladesh pode ser adiada. A usina (que seria a primeira em Bangladesh) será construída com apoio financeiro e técnico da Rússia, inclusive com combustível de urânio da Rússia. O país também participará da gestão de resíduos nucleares do projeto. O especialista em energia M Tamim disse ao jornal The New Nation no domingo: “A guerra em andamento não terá um impacto imediato na usina, mas o trabalho de construção pode ser adiado, se a economia russa enfraquecer para prolongar a guerra”. A construção da primeira unidade da usina está prevista para o próximo ano e a conclusão da segunda unidade está prevista para 2024.

Sexta-feira, 25 de fevereiro

FIEC expressa seu apoio à Ucrânia

A associação de empreiteiros europeus FIEC expressou seu apoio à indústria da construção ucraniana e à nação. Thomas Bauer, presidente da FIEC, disse que “o desenvolvimento da União Européia mostrou que países com situações políticas e econômicas muito diferentes podem prosperar juntos e superar dificuldades conjuntamente através do diálogo e da cooperação. (...) Portanto, desejamos à Confederação dos Construtores da Ucrânia (CBU), nossa Federação Membro da Ucrânia e ao país, que este conflito possa terminar o mais rápido possível para que o povo da Ucrânia possa mais uma vez viver em paz e sem medo. Este também será o momento de trabalhar no fortalecimento dos vínculos entre nossas organizações”. Domenico Campogrande, FIEC.

Campogrande index Domenico Campogrande, FIEC.

O diretor-geral da FIEC, Domenico Campogrande, acrescentou que o conflito se desenrola após dois anos da pandemia que já havia pressionado bastante o setor “e após vários meses de aumentos significativos nos preços de produtos e materiais, bem como como de energia, o que afeta diretamente a competitividade de nossas empresas. A situação irá certamente agravar ainda mais estes elementos e constituirá um sério obstáculo à implementação dos investimentos previstos nos planos de resiliência e recuperação”.

Sexta-feira, 25 de fevereiro

Impacto na inflação e nas cadeias de suprimentos

Em uma nota divulgada na sexta-feira, a Oxford Economics disse que a invasão ofuscou completamente os dados econômicos positivos que surgiram da zona do euro no início da semana. O consultor económico disse existirem riscos para o setor industrial “que continuará sob enorme pressão, sobretudo nos setores intensivos em energia. A imposição de sanções severas por potências ocidentais sobre a Rússia poderia piorar ainda mais as coisas para o setor industrial europeu, já que a Rússia também é um grande produtor e exportador de alguns metais importantes, como aço, alumínio ou níquel, portanto, qualquer interrupção nos fluxos comerciais seria causar mais danos às cadeias de suprimentos globais já estressadas”.

Ele acrescentou que a guerra significará que os preços do petróleo e do gás ficarão mais altos por mais tempo e haverá um impacto adicional nos preços dos alimentos, dado o papel da Rússia como exportador global de grãos e produtos químicos. Isso aumentará a inflação da zona do euro mais do que o esperado e prolongará o ciclo de inflação.

Sexta-feira, 25 de fevereiro

Vai dificultar a recuperação da covid, diz FMI

Kristalina Georgieva, diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), disse que a invasão é motivo de grande preocupação, principalmente por causa do custo humano e do sofrimento das pessoas comuns. “O conflito também está tendo um sério impacto econômico, que piorará quanto mais durar. Essa crise ocorre em um momento delicado, quando a economia global está se recuperando dos estragos da pandemia do COVID-19 e ameaça desfazer parte desse progresso”.

“Além da Ucrânia, as repercussões do conflito representam riscos econômicos significativos na região e em todo o mundo. Estamos avaliando as possíveis implicações, inclusive para o funcionamento do sistema financeiro, mercados de commodities e o impacto direto nos países com vínculos econômicos na região”, acrescentou.

Sexta-feira, 25 de fevereiro

Impacto nos preços de petróleo e gás

De acordo com Chris Sleight, diretor administrativo da consultoria industrial Off-Highway Research, “a principal ameaça direta na Europa… é o impacto nos preços do petróleo e do gás. Isso pode se tornar um problema sério se as sanções contra a Rússia forem estendidas às exportações de petróleo e gás, pois isso aumentará significativamente os preços na Europa”.

REVISTA
BOLETIM
Entregue diretamente na sua caixa de entrada, o Informativo Semanal da Construção traz a seleção das últimas notícias, lançamentos de produtos, reportagens e muito mais informações sobre o setor de infraestrutura na América Latina e no mundo.
Reportagens
Por que é essencial digitalizar o setor da construção mexicana?
Coluna de Luis Herrera, chefe de vendas para a América Latina e Espanha, Procore
A magnitude e fomento do conceito ESG e da sustentabilidade
O que antes era tendência, agora é realidade. Considerando os indicadores dos três pilares (meio ambiente, social e governança corporativa), e a inerente preocupação - devida – das empresas, não há como negar que estratégias ESG trazem diversos benefícios para a percepção de valor, real, das companhias.
Compactação: declives suaves
Características excepcionais para um embalador de rolos seguro e eficiente
CONECTAR-SE COM A EQUIPE
Cristian Peters
Cristián Peters Editor Tel: +56 977987493 E-mail: cristián.peters@khl.com
Wil Holloway Gerente de vendasr Tel: +1 312 9292563 E-mail: wil.holloway@khl.com
CONECTAR-SE COM A MÍDIA SOCIAL