Construção argentina cai 4,2%

By Construção Latino-Americana12 November 2018

O índice interanual de setembro reflete a maior queda desde fevereiro de 2017. A crise econômica desatada em abril, continua trazendo más notícias.

A combinação entre desvalorização, inflação e resseção que afeta a Argentina refletiu-se no índice da atividade da construção. Segundo o Instituto de Estadística oficial do país (INDEC), setembro teve a queda mais forte dos últimos 20 meses e, mesmo que o resultado acumulado continua sendo positivo devido ao bom desempenho de princípios de 2018, a crise parece ter chegado para ficar, ao menos por um tempo. Junto com essa cifra, está a inflação de setembro, que chegou a 6,5% e a queda de 17,3% na venda de insumos para a construção, registrada em outubro pelo Grupo Construya.

O programa de restrição monetária que o país fechou com o FMI tem o objetivo de equilibrar o déficit fiscal, mas, segundo a maioria dos analistas, está produzindo uma forte recessão. O esquema conteve a desvalorização do peso argentino, que atingiu 50% em 2018, no entanto, a taxa de juros anual estabelecida pelo Banco Central foi superior a 65%. O encarecimento do financiamento já se refletiu em faltas de pagamentos e diminuição dos investimentos.

Nesse contexto, com a queda dos fundos públicos disponíveis, os projetos de parcerias público-privadas (PPPs) são especialmente relevantes na obra pública do Governo de Mauricio Macri. O orçamento de 2019 prevê 80 projetos no valor de US$ 242 milhões. Sem facilidades financeiras à vista, o setor privado deverá dobrar esforços para que esses projetos sejam executados.

REVISTA
BOLETIM
Entregue diretamente na sua caixa de entrada, o Informativo Semanal da Construção traz a seleção das últimas notícias, lançamentos de produtos, reportagens e muito mais informações sobre o setor de infraestrutura na América Latina e no mundo.
Reportagens
Um ponto fora da curva…
O Brasil, na contramão de muitos países que se viram seriamente afetados pela crise sanitária mundial, se estabelece dia após dia como potência econômica no que tange a indústria e tal propensão se fortalece com o número de obras que se difundem por todo território nacional.
Energia do futuro
Como grupos geradores e sistemas de armazenamento baseados em bateria podem substituir a energia a diesel.
Construção centro-americana
A pandemia e economias fortemente dependentes tornam a recuperação desta região mais complexa.
CONECTAR-SE COM A EQUIPE
Cristian Peters
Cristián Peters Editor Tel: +56 977987493 E-mail: cristián.peters@khl.com
Wil Holloway Gerente de vendasr Tel: +1 312 9292563 E-mail: wil.holloway@khl.com
CONECTAR-SE COM A MÍDIA SOCIAL