Concreto automatizado

By Fausto Oliveira15 September 2017

Como a empresa Command Alkon está aumentando a lucratividade de concreteiras com sistemas digitais.

Indumix

Um dos fabricantes de central na América Latina que usam os sistemas de automatização da CommandAlkon é a argentina Indumix.

O crescimento de longo prazo de empresas que trabalham em setores intensivos de capital e altos custos, como é o caso das provedoras de concreto, depende das margens de lucro operacional. A operação não apenas deve gerar fluxo de caixa para manter o negócio funcionando, mas tem, além disso, que gerar riqueza a cada ciclo de trabalho.

Portanto, qualquer nova tecnologia que promova o aumento das margens de lucro deve receber as boas-vindas dos produtores de concreto. Proporcionar às concreteiras exatamente esta vantagem é a missão da CommandAlkon, empresa de origem norte-americana que tem operação mundial e que, na América Latina, mantém escritórios no Brasil e na Colômbia.

Com uma variedade de softwares de controle, a CommandAlkon promete reduzir custos operacionais no fornecimento de concreto, apostando tudo na automatização dos processos, informação em tempo real e controle de utilização de insumos.

De acordo com Rafael Diaz, gerente do escritório brasileiro da empresa, uma concreteira latino-americana típica pode se beneficiar dos softwares da CommandAlkon integrando ao menos duas de suas soluções: os sistemas betonMIX e CommandConcrete, que trabalham integrados. “O sistema betonMIX tem foco na gestão e relatórios de produtividade, enquanto o CommandConcrete tem foco sobre a frota de betoneiras”, diz o executivo.

Despachos

“Estes sistemas são responsáveis por todo o ciclo de venda e despacho de uma concreteira, desde o momento em que a obra faz o pedido até a descarga e o retorno à central. Com medições dos tempos de programação e deslocamento da frota de betoneiras, eles conseguem fazer com que a concreteira despache mais metros cúbicos com menos recursos”, afirma.

Todo o sistema está baseado nos custos fixos da betoneira. “Temos uma estatística de que uma betoneira custa 1 dólar por minuto, para ou rodando. Se o sistema ajuda a que o caminhão esteja mais tempo em operação, está ajudando a ganhar mais dinheiro. Há casos de clientes que reduziram o custo em 19%: tinham 100 caminhões entregando 800 m3, e depois de instalar o sistema passaram a entregar os mesmos 800 m3 com 80 caminhões. Tudo porque o sistema permite reduzir o tempo de ciclo em ao menos dez minutos. Dez minutos vezes oito despachos são oitenta minutos. É um despacho a mais feito com o mesmo caminhão, sem colocar mais um em operação”, esclarece Diaz.

Por outra parte, a CommandAlkon oferece o sistema betonTEC para o controle de qualidade dos corpos de prova dos concretos produzidos. Seu foco principal é apoiar a atuação dos laboratórios.

“O software betonTEC permite ao engenheiro que compôs o traço controlar a sua qualidade ao longo de todo o processo. Com este sistema, pode-se comprovar exatamente a curva granulométrica, o fator água cimento, a quantidade de pedra, o ponto da curva de Abrams desejado, ou seja, tudo o necessário para que a central consiga produzir um concreto com um desvio padrão muito baixo”, diz o executivo da CommandAlkon.

Assim, o a ideia principal do betonTEC é dar ao engenheiro um grau de controle que lhe permita desenvolver misturas com menos cimento, compensando-o com outros elementos, como, por exemplo, aditivos. Rafael Diaz afirma que há clientes seus que estão usando até oito aditivos em suas misturas de concreto.

“Permitimos que o concreto tenha resistências maiores usando menos cimento, alterando as areias, as doses de agregados e o conjunto de aditivos. Todas as informações do traço ficam guardadas no sistema, e ficam disponíveis para consulta por qualquer cliente final”, diz.

Por isso, além do controle da rotina de deslocamento das betoneiras com seus softwares de controle remoto, a empresa ataca outro grande problema da indústria de concreto: a rejeição do concreto nas obras. Segundo Diaz, hoje no Brasil cerca de 10% das betoneiras são rejeitadas em canteiros de obra por qualidades de traço diferentes daquelas especificadas.

“Com a implementação dos sistemas de automatização, isto se reduz a 1%, porque você tem como comprovar ao cliente que o concreto está bem feito”.

Centrais

Ali onde está o coração da produção de concreto, mas centrais, os programas da CommandAlkon proveem ainda mais possibilidades de mudar a realidade econômica de uma concreteira.

Rafael

Rafael Diaz, gerente de CommandAlkon.

Se pelo lado da logística se reduzem os tempos de ciclo, e pelo lado dos traços se reduzem as rejeições de betoneira, nas centrais o enfoque é todo sobre os insumos. O objetivo é controlar melhor as quantidades dosadas para reduzir os desvios padrão que consomem mais material do que o necessário.

“Nesse caso, o software que temos é o CommandBatch, que elimina 100% da intervenção huaman no processo. Hoje em dia, no Brasil e muitos outros lugares, as centrais são operadas manualmente com balanceiros abrindo e fechando as comportas de insumos. Com o nosso sistema, a única coisa que o balanceiro faz é apertar um botão. A partir desse momento, o sistema controla as comportas, aeradores, vibradores, controla tudo reduzindo o desperdício ao mínimo”, afirma.

E os resutados em termos de desvio padrão que Diaz afirma ter conseguido em centrais de clientes são de fato impressionantes. Enquanto a norma brasileira permite um desvio padrão máximo de 3%, com o CommandBatch os clientes conseguem desvios padrão de até 0,3%.

“Temos clientes que baixaram seus gastos com cimento em cerca de R$ 35 mil num ano. Só com isso, o sistema se paga”, diz o executivo.

A estrutura de custos de uma concreteira, tipicamente, tem seus gastos mais altos no diesel das betoneiras e no cimento. Qualquer aporte tecnológico que permita alguma redução destes custos será necessariamente significativo.

No caso da automatização operacional das concreteiras, como propõe a CommandAlkon, os resultados prometidos são importantes. A empresa afirma que seus clientes obtêm, por exemplo, 5% mais quantidade entregue por motorista de betoneira, 15% mais pontualidade nos despachos, 40% menos de tempo de espera em obra, 15% mais de utilização de frotas, entre outros resultados positivos.

Em um cenário de dificuldades econômicas, menor demanda por concreto e menos grandes obras de infraestrutura, o preço do concreto tende a cair. Mas não necessariamente os preços das matérias primas. Como manter seu negócio vivo, como manter sua rentabilidade? Os sistemas de automação podem ser uma resposta.

REVISTA
BOLETIM
Entregue diretamente na sua caixa de entrada, o Informativo Semanal da Construção traz a seleção das últimas notícias, lançamentos de produtos, reportagens e muito mais informações sobre o setor de infraestrutura na América Latina e no mundo.
Reportagens
Calac+: Reduzindo as emissões
A Cooperação Suíça está comprometida com a redução das emissões poluentes na América Latina.
Foco Chile: Investimento austral
Não é de surpreender que os projetos de mineração continuem a ser um dos principais impulsionadores da carteira de planos de infraestrutura do Chile.
Guindastes e equipamentos Cruz del Sur: Elevação Regional
A Cranes y Equipos Cruz del Sur vem ampliando sua presença na América do Sul e hoje tem uma presença significativa no Chile, Colômbia e Peru.
CONECTAR-SE COM A EQUIPE
Cristian Peters
Cristián Peters Editor Tel: +56 977987493 E-mail: cristián.peters@khl.com
Wil Holloway Gerente de vendasr Tel: +1 312 9292563 E-mail: wil.holloway@khl.com
CONECTAR-SE COM A MÍDIA SOCIAL