As 50 principais construtoras latino-americanas

26 October 2011

CLA50

CLA50

É interessante ver o crescimento que experimentaram as empresas construtoras latino-americanas durante o último período e apenas basta revisar alguns números para perceber aumentos significativos entre os exercícios de 2009 e 2010. Entre as 50 empresas presentes neste ranking, foi registrado um crescimento de 13,4% nas receitas brutas, passando de US$50,5 bilhões em 2009 para US$57,3 bilhões no ano passado.

Apesar que o Brasil encabeça a lista, alcançando 68,3% dos resultados anotados anteriormente, México, Chile, Peru, Argentina e Colômbia também registram cifras importantes de receitas que os classifica como grandes expoentes do mercado da construção latino-americano.

Outro dado importante é que as dez principais empresas concentram 57,2% do total das receitas das 50 presentes na lista, com US$32,8 bilhões. Sete dessas empresas são do Brasil, mas México e Chile também estão presentes graças à ICA, Homex e Sigdo Koppers, que ocupam o quinto, oitavo e décimo lugar, respectivamente.

Presença brasileira

A Organização Odebrecht lidera o ranking (Odebrecht Energia, Odebrecht Engenharia Industrial, Odebrecht Infraestrutura, Odebrecht América Latina e Angola, Odebrecht Venezuela e Odebrecht International), que, com receitas brutas ao redor de US$10 bilhões, fica com 17,4% das receitas totais (e um 30,4% dos top ten). A empresa apresenta um plano agressivo de expansão e internacionalização e suas operações, há muito tempo, ultrapassaram as fronteiras brasileiras. Apenas na região, a companhia tem participado em obras na Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, México, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana e Uruguai, entre outros. A Odebrecht também está focada em obras transoceânicas, participando em vários países da África, Ásia e Europa.

Cabe destacar que as empresas de Engenharia e Construção da Odebrecht, fora do Brasil, contam com projetos na pasta de cerca de US$14,4 bilhões.

Com receitas brutas de US$3,8 bilhões ostenta um segundo lugar no ranking geral da divisão de Engenharia e Construção da Andrade Gutierrez. O grupo que atua em vários setores como energia, engenharia, construção, telecomunicações e concessões públicas. Da mesma forma que sua conterrânea, também tem expandido suas operações na região e participa ao menos de uma dezena de países latino-americanos, entre eles: Argentina, Chile, Colômbia, México e Peru.

No final de 2010, a empresa acumulava uma pasta de projetos de US$10,6 bilhões (7,3% a mais que em 2009 e equivalente a três anos de operação).

É impossível deixar de mencionar o Grupo Camargo Correa, um dos maiores conglomerados industriais do Brasil, e que está baseado em quatro segmentos principais: engenharia civil e construção, produção e distribuição do cimento; concessões viárias; e concessões de energia.

O grupo possui também operações em países como Argentina, Peru, Venezuela, Moçambique, Angola, Brasil e Colômbia.

As receitas líquidas da Camargo Correa foram de US$3,6 bilhões, valor que dá o terceiro lugar à empresa.

Potência mexicana

Entre o ranking CLA 50, o México participa de 19,4% das receitas brutas por meio de uma dezena de construtoras. A principal é a ICA, empresa que durante 2010 registrou receitas de US$2,7 bilhões, 13,3% acima do resultado de 2009, quando chegou a alcançar US$2,4 bilhões. Com essa cifra, a empresa fica em quinto lugar na lista geral e abrange 8,4% das vendas das dez principais empresas construtoras.

A companhia também expandiu suas redes pela América Latina e principalmente olha com bastante interesse ao Panamá, onde recentemente assinou um contrato de US$114,8 milhões para a construção de uma rodovia.

Ao fechar o primeiro semestre, a ICA tinha obras em execução e novos contratos de US$3,3 bilhões.

Entre as dez melhores, também está a Homex, empresa focada em moradias para as classes média e baixa. É uma das construtoras de moradia que apresenta um dos crescimentos mais rápido do México.

Chile

As sete principais empresas chilenas de construção somam receitas de US$4,5 bilhões, compartilhando 7,9% do total de receitas das 50 principais companhias.

Oitava no ranking total e com vendas de US$1,8 bilhões (28,6% acima das receitas de 2009), a Sigdo Koppers é uma empresa líder na execução de projetos de engenharia, construção e montagem industrial, com um sólido prestigio tanto no Chile como no exterior.

A companhia anunciou, em setembro, planos para um aumento de capital de US$370 milhões (o qual deve ser aprovado pela diretoria).

A segunda empresa chilena e a número 13 no ranking geral é a SalfaCorp, companhia com mais de US$9,4 bilhões em propostas apresentadas e em estudo. Segundo divulgou o jornal chileno Diario Financiero, deste montante, ao redor de US$1 bilhão corresponde a projetos no Peru, na Colômbia e no Caribe.

Inclusão peruana

Neste ranking, a CLA 50 inclui apenas uma empresa peruana, a Graña y Montero, companhia que nos últimos anos fortaleceu suas operações e que entre o ano 2009 e 2010 aumentou suas receitas em um 30%, alcançando a cifra de US$904 milhões.

Para os próximos cinco anos, a construtora investirá cerca de US$1 bilhão, principalmente nos setores de energia, mineração, concessões de obras públicas e setor imobiliário.

Recentemente Graña y Montero deu início a suas operações no Chile por meio da compra da Compañía Americana de Multiservicios (CAM). O grupo peruano já tinha trabalhado no Chile no projeto hidrelétrico Ralco e na ampliação do hotel Sheraton San Cristóbal.

Metodologia

As posições do ranking CLA 50 estão baseadas nas receitas brutas vinculadas às vendas (com exceção da Camargo Corrêa, cujas receitas apresentadas são líquidas), em dólares americanos. Quando necessário, o câmbio foi alterado para dólares, baseado no valor médio da moeda em todo o exercício de 2010.

A informação foi obtida desde diferentes fontes, começando pelas respostas enviadas por algumas empresas para a pesquisa preparada pela Construção Latino-Americana, complementada com dados disponíveis em bolsas de valores, instituições financeiras, Câmara Brasileira da Construção, contabilidade auditada, declarações de empresas e de respeitadas organizações como o centro de pesquisa de negócios Goliath. Em alguns casos não foi possível contar com a contabilidade auditada. Neste caso a Construção Latino-Americana realizou uma estimativa de vendas baseada em dados históricos e tendências do mercado.

Em alguns casos o ano fiscal de algumas empresas finaliza em junho, fato que fez com que seja impossível estabelecer uma informação para um ano calendário. Desta forma foram utilizados os dados do ano fiscal.

Apesar de que foram feitos todos os esforços para que a informação desta reportagem seja a mais fiel e exata possível, a Construção Latino-Americana não pode ser responsabilizada por possíveis erros ou omissões.

Se algum leitor deseja fazer algum comentário ou correção a respeito do ranking publicado das 50 construtoras sobre os valores das operações ou considera que sua empresa deveria ser incluída na lista, solicitamos entrar em contato com o editor da Construção Latino-Americana, Cristián Peters ([email protected]).

CONECTAR-SE COM A EQUIPE
Cristian Peters
Cristián Peters Editor Tel: +56 977987493 E-mail: cristiá[email protected]
CONECTAR-SE COM A MÍDIA SOCIAL