A mineração latino-americana continuacom investimentos explosivos

By Cristián Peters Quiroga12 May 2021

Ninguém pode questionar o poder que a América Latina tem no mundo da mineração, e é que a região é incrivelmente rica em recursos minerais naturais, com países que se destacam, como o Chile, que possui as maiores reservas de cobre e lítio do mundo .; Peru, que tem as maiores reservas de prata, a terceira maior reserva de cobre e zinco, a quarta maior reserva de níquel e a quinta maior reserva de ouro; México, que tem a quarta maior reserva de zinco do mundo, a quinta maior reserva de chumbo e a sexta maior reserva de cobre; e o Brasil que possui a segunda maior reserva mundial de minério de ferro, a terceira maior reserva de níquel e a quarta maior reserva de estanho e a sétima maior reserva de ouro.

Chuquicamata Chuquicamata é a maior mina a céu aberto do mundo e em 2019, após investimentos de mais de US $ 4,3 bilhões, iniciou sua operação subterrânea. (Foto: Codelco)

Embora não sejam apenas os minerais metálicos que se destacam, o tão aclamado lítio (cada vez mais importante à medida que o mundo caminha para os equipamentos elétricos e de baterias) também é parte importante dos depósitos da região. Argentina, Bolívia e Chile representam mais de 50% das reservas minerais mundiais.

Mas não são apenas as reservas que fazem a mineração latino-americana se destacar. A região tem sido capaz de explorar seus recursos e é assim que o Chile e o Peru foram os principais produtores de cobre do mundo em 2020. México e Peru lideram a produção mundial de prata, enquanto o Chile está em sexto lugar, Bolívia em sétimo e Argentina na nona posição. Em ouro, o Peru volta a figurar no ranking como o sexto maior produtor mundial, e México e Brasil também conseguem entrar no top 10, nas posições nove e dez, respectivamente.

Mas sem dormir no ponto, a região tem um portfólio interessante de projetos para continuar crescendo, tanto com novos projetos quanto com expansões em minas já em operação.

O gigante do cobre

O Chile, maior produtor mundial de cobre, possui um portfólio de importantes e interessantes projetos.

Em setembro do ano passado, a Comissão Chilena do Cobre (Cochilco) divulgou o novo Registro de Investimentos da Mineração Chilena 2020-2029, que considera 49 iniciativas, que envolveriam investimentos da ordem de US $ 74.047 milhões, 2,1% a mais do que foi registrado em 2019.

Durante a apresentação do estudo, o Ministro de Mineração do Chile, Baldo Prokurica destacou o aumento de US $ 1.500 milhões, garantindo que isso “significa que a mineração chilena continua atraente para investidores nacionais e estrangeiros”.

Ressalte-se que, deste cadastro, 34% (US $ 24.844 milhões) correspondem a projetos em execução; 64% (US $ 47.483 milhões) estão em fase de viabilidade; e 2% (US $ 1.720) estão em pré-viabilidade.

Cristian Cifuentes, Coordenador de Estratégias e Políticas da Cochilco, comentou que o cadastro inclui cinco novos projetos: Continuidade Operacional Carmen de Andacollo da Teck (US $ 100 milhões); Continuidade Operacional da Minera Candelaria da Lunding Mining (US $ 600 milhões); Polo Sul de Antofagasta Minerals (US $ 300 milhões); Nittetsu Mining Archers (US $ 200 milhões); e a reativação do projeto Kinross, Lobo-Marte (US $ 995 milhões), totalizando investimentos de US $ 2.195 milhões.

O executivo explica que também há quedas nos investimentos devido a ajustes no grupo “Outros investimentos da Codelco”, somados a aumentos no Capex de certas iniciativas que modificam seus objetivos iniciais em busca de maior produção e/ou maior rentabilidade. O ajuste líquido é inferior a US $ 650 milhões.

Ganhando momento

Outro gigante do cobre é o Peru, cuja mineração não fica atrás e o país também possui uma importante carteira de investimentos no setor. De acordo com o Ministério de Minas e Energia (Minem), neste ano, serão investidos US $ 5,2 bilhões, 20,9% acima dos US $ 4,3 bilhões desembolsados ​​no ano passado. Também 2022 apresentaria um aumento de mais de 15%, chegando a US $ 6.000 milhões em investimentos, conforme anunciado pelo Ministro Jaime Gálvez durante sua apresentação na conferência Prospectors & Developers Association of Canada (PDAC) 2021, que foi realizada virtualmente

Deve-se notar que no último relatório do Portfólio de Projetos de Construção de Mina, apresentado pelo Minem em novembro do ano passado, 46 ​​projetos foram calculados com um valor de investimento global de US $ 56.158 milhões. Na época, a carteira contava com cinco projetos em fase de construção e um investimento conjunto de US $ 8.501 milhões; quatro projetos em fase de engenharia de detalhamento com desembolsos de US $ 4.219 milhões; 17 projetos em fase de viabilização, com investimentos de US $ 16.590 milhões; e 20 projetos em fase de pré-viabilidade com investimento conjunto estimado em US $ 26.847 milhões.

Observa-se também que dos 46 projetos, 36 deles são novos projetos de minas ou greenfield, totalizando um investimento de US $ 51,1 bilhões, enquanto os 10 restantes são brownfield com um investimento conjunto de US $ 5,058 milhões.

Um dos projetos mais importantes da carteira peruana é o Yanacocha Sulfuros, que visa dar continuidade às operações da mina Yanacocha, de propriedade da Newmont, e que envolveria investimentos da ordem de US $ 2,1 bilhões e que poderia entrar em operação em 2024, e estender a vida útil da Yanacocha até 2040

Estima-se que a mina possa contribuir com cerca de 500.000 onças de ouro por ano entre 2026 e 2030.

Apostando com força

A Colômbia não é tão forte quanto o Chile e o Peru na mineração de cobre, embora no ano passado tenha produzido 9.350 toneladas do metal vermelho (22% a mais que 2019). No entanto, é um ator de destaque na mineração de carvão que, infelizmente, em 2020, segundo dados da Associação Mineira da Colômbia (ACM), reduziu sua produção a mínimas históricas. Na verdade, se o carvão representou 64% do PIB de mineração do país em 2019, ele refletiu apenas 45% em 2020.

No início do ano, a Agência Nacional de Mineração (ANM) formalizou o processo de habilitação das empresas interessadas em participar da Rodada de Mineração 2021, que tem como objetivo principal promover a exploração da mineração no país de forma sustentável, competitiva e articulada com o desenvolvimento regional e local.

Assim, foi inaugurado no dia 25 de fevereiro o processo de seleção da melhor oferta para os contratos especiais de exploração e aproveitamento de quatro blocos com potencial para cobre e poli metálicos, nos departamentos de La Guajira e Cesar.

Na ocasião, o presidente da ANM, Juan Miguel Durán, destacou que o desenvolvimento das rodadas de mineração representa um “ganha-ganha” para a região, a comunidade e os investidores. “As rodadas permitem que o Governo seja mais eficiente na gestão do recurso, determinando quais minerais devem ser promovidos através da exploração e buscando diversificar a cesta mineral”, disse.

“A Colômbia tem um potencial significativo em minerais metálicos como ouro, prata e cobre, e agora terá um modelo diferente e inovador para avançar na exploração mineira, buscando atrair investidores que demonstrem e ofereçam melhores condições para desenvolver esta atividade com elevados padrões técnicos ambientais e sociais”, explicou o Ministro de Minas e Energia, Diego Mesa

A Colômbia tem oito projetos interessantes pelos que apostará nos próximos dois anos, incluindo Quebradona (iniciativa da AngloGold Ashanti declarada em 2015 como de interesse nacional), El Roble, Volador, Mandé Norte, El Carmen em Chocó, San Matías, Cómita e Pantanos.

Esperando por uma recuperação

Os efeitos da pandemia atingiram fortemente os investimentos mineiros mexicanos no ano passado e, segundo estimativas da Câmara Mexicana de Mineração (Camimex), os investimentos em todo o setor caíram cerca de 50%, passando de cerca de US $ 4.657 milhões em 2019 para quase US $ 2,5 bilhões em 2020, que seria o menor nível de investimento em 13 anos.

A Camimex tem se mostrado moderada nas projeções de crescimento dos investimentos neste ano e espera desembolsos de mineração da ordem de US $ 2.800 milhões, um 12% acima ao ano passado.

O ano já começou com boas notícias. A Torex Gold anunciou que este ano investirá entre US $ 195 milhões e US $ 235 milhões em suas operações de mineração mexicanas, pelo menos 11,4% a mais do que o valor desembolsado em 2020. Por sua vez, a Newmont informou em seu último relatório que este ano prevê investimentos da ordem de US $ 155 milhões na Peñasquito, operação que produz ouro, prata, chumbo e zinco, um aumento de 22% sobre os US $ 127 milhões investidos em 2020.

Da mesma forma, este ano também começam iniciativas importantes. Um deles é Metates, que seria o maior depósito de ouro não desenvolvido no México. Estima-se que haja reservas provadas e prováveis ​​de 18,5 milhões de onças de ouro e 500 milhões de onças de prata.

Iniciativa da Chesapeake Gold Corp. pode envolver investimentos de US $ 3,46 bilhões.

Dominando o ferro

Outro gigante é o Brasil, país que observou que seu setor de mineração, apesar da pandemia, atingiu R$ 209 bilhões em 2020, cerca de US$ 38 bilhões, sendo o minério de ferro responsável por 66% do total, aproximadamente um 36% a mais do que em 2019, que foi de R$ 153 bilhões (cerca de US$ 28,5 bilhões). “Esse crescimento foi influenciado pelo aumento da produção mineral comercializada, em função da curva de crescimento das matérias-primas minerais e da desvalorização do Real”, explica o Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram).

De acordo com relatório da entidade, o setor espera investir cerca de US$ 38 bilhões no período 2020-2024, o que representará um aumento de 40% em relação à previsão para o quinquênio 2019-2023. Segundo o Ibram, o Brasil tem um enorme potencial de desenvolvimento, e a expansão da pesquisa mineral pela Agência Nacional de Mineração (ANM), permite ao setor elevar suas projeções de investimentos.

REVISTA
BOLETIM
Entregue diretamente na sua caixa de entrada, o Informativo Semanal da Construção traz a seleção das últimas notícias, lançamentos de produtos, reportagens e muito mais informações sobre o setor de infraestrutura na América Latina e no mundo.
Reportagens
Bombas: Trabalho em pedreiras
Para obter resultados ideais, é essencial usar as bombas corretas.
A importância do Impulsor
BBA Pumps lança seu impulsor de canal de parafuso KS, que é projetado para evitar entupimento e vibrações em suas bombas de esgoto.
Coluna Sobratema: Tempos de renovação
A renovação das frotas de equipamentos deu um novo impulso ao mercado brasileiro. Escrito por Eurimilson Daniel.
CONECTAR-SE COM A EQUIPE
Cristian Peters
Cristián Peters Editor Tel: +56 977987493 E-mail: cristián.peters@khl.com
Wil Holloway Gerente de vendasr Tel: +1 312 9292563 E-mail: wil.holloway@khl.com
CONECTAR-SE COM A MÍDIA SOCIAL