Off Highway Research: 2021 terá vendas recordes de equipamentos

By Chris Sleight15 September 2021

Ventas equipos 2021 PTG

De acordo com uma empresa especializada em pesquisas e previsões de mercado, as vendas dos tipos mais populares de equipamentos de construção atingirão o recorde de 1.130.000 unidades este ano. Isso será cerca de 2% maior do que o pico cíclico anterior (e volume recorde) de 1,10 milhão de máquinas vendidas em 2018.

O equipamento de construção é um negócio cíclico e havia uma previsão anterior de que 2020 veria uma queda modesta nas vendas globais de equipamento de construção, após os picos dos dois anos anteriores. Esperava-se que a queda geral fosse da ordem de 5%.

A perspectiva, é claro, piorou em março de 2020, quando a pandemia Covid-19 se espalhou e os fechamentos nacionais entraram em vigor em todo o mundo. Temia-se que os mercados globais entrassem em colapso. Quedas anuais de 20 a 40% foram previstas nas vendas de equipamentos em todo o mundo.

A surpresa chinesa

No entanto, o resultado final para 2020 foi que quase não houve mudança nas vendas globais. Na verdade, é surpreendente que o mercado tenha tido um desempenho melhor na pandemia do que o esperado antes do surto de COVID.

O maior fator para esse desempenho notável foram os gastos com estímulo massivo na China, que viu o mercado crescer 30% a partir dos já flutuantes níveis de 2019.

Ventas equipos 2021 PTG

Além disso, a recessão em outras partes do mundo não foi tão severa quanto temia quando os fechamentos começaram. Em vez das quedas previstas de 30% ou mais, a maioria dos mercados caiu entre 10% e 20%, e alguns até cresceram. O declínio geral para o mundo, excluindo a China, foi de 12% em 2020.

Tendo atingido níveis muito elevados em 2019 e 2018, essas desacelerações significaram que a maioria dos mercados permaneceu em níveis razoáveis em 2020, embora com um padrão de quedas acentuadas no primeiro semestre do ano e fortes recuperações no segundo semestre.

A razão subjacente pela qual os mercados de equipamentos permaneceram em condições aceitáveis foi que, após as paralisações iniciais, quando grande parte da atividade de construção foi interrompida, a indústria foi capaz de retornar aos níveis de atividade quase normais. A natureza das obras se mostrou útil, pois os canteiros costumam ser extensos, possibilitando a retomada das atividades com equipamentos de proteção individual (EPIs) adequados e o distanciamento social estabelecido.

Satisfaça a demanda

Para a maioria dos países do mundo, a previsão para 2021 e além continua melhor do que o esperado antes do surto de pandemia.

Os componentes disso são altos volumes contínuos na China em 2021, combinados com um aumento nas vendas em outros países ao redor do mundo, geralmente da ordem de 5 a 10%. Esses aumentos devem levar as vendas mundiais de equipamentos de construção a um recorde este ano.

Na verdade, o ímpeto no final de 2020 e em 2021 sinalizou claramente isso, e os resultados financeiros indicaram fortes ganhos trimestrais em vendas e lucratividade para os principais fabricantes do setor. Os relatórios sobre a carteira de pedidos e a entrada de pedidos aumentaram esse sentimento, com um aumento acentuado nos negócios entrantes no quarto trimestre de 2020 e o maior volume de livros para faturar visto no atual ciclo plurianual.

A flutuabilidade era tal que a questão não era tanto se haveria demanda por equipamentos, mas se os fabricantes poderiam atendê-la. A história mostra que um volume global de um milhão de unidades ou mais pode equivaler a uma escassez de fornecimento de componentes críticos, especialmente os hidráulicos.

No início de 2021, isso foi agravado pelo fato de que muitos fornecedores da indústria cortaram a produção em 2020, seja porque decidiram reduzir a produção diante de um futuro incerto ou porque seus volumes foram afetados por bloqueios e redução da produção de seus fornecedores. Voltar aos níveis anteriores permaneceu um desafio devido às contínuas restrições ambiciosas e restrições de produção na cadeia de abastecimento.

Outro fator foi que, ao longo de 2020, fabricantes de equipamentos, seus fornecedores e seus distribuidores tomaram medidas para reduzir seus estoques e focar no fluxo de caixa. Por mais compreensíveis e prudentes que sejam, essas medidas contribuíram claramente para as dificuldades de atendimento da demanda observadas no início de 2021.

Ventas equipos 2021 PTG

Portanto, esperava-se que 2021 fosse caracterizado por limitações de fornecimento de equipamentos e longos prazos de entrega de máquinas. A Off-Highway Research acredita que esses fatores são o maior desafio para suas projeções e para que o setor atinja seu potencial de vendas, e não qualquer impedimento do lado da demanda.

Foco regional

Após o aumento de 30% em 2020 impulsionado pelo pacote de estímulo, esperava-se que a China experimentasse um crescimento modesto de 3% nas vendas de unidades em 2021. No entanto, a previsão mais recente da Off-Highway Research indica uma redução de 2%.%. E é que depois de ter experimentado um primeiro trimestre extremamente otimista de 2021, o mercado chinês começou claramente a esfriar a partir de abril.

Uma desaceleração na China sempre foi esperada em 2021, após o estímulo e o forte crescimento das vendas em 2020. No entanto, a desaceleração se materializou vários meses antes do esperado, daí o rebaixamento da previsão. No entanto, é preciso lembrar que os volumes de vendas na China em 2021 continuarão extremamente elevados e, historicamente, o setor está aquecido.

Embora a China esteja com um desempenho um pouco pior do que o esperado anteriormente, a recuperação em muitas outras partes do mundo está se mostrando mais forte do que o previsto no início do ano. Projeta-se que o mercado europeu cresça 15% em 2021. Isso deve fazer com que os volumes se recuperem para níveis semelhantes à alta cíclica observada em 2019.

Além disso, a previsão para a América do Norte foi atualizada para um aumento de 13%. Embora isso não leve a uma recuperação para as máximas de 2019, esses níveis precisam ser alcançados e ultrapassados nos próximos anos.

Um aumento modesto de 1% nas vendas de equipamentos de construção agora é previsto para o Japão em 2021, em comparação com a expectativa anterior de uma recessão. Este aumento é baseado no ligeiro aumento nas vendas em 2020 que levaria o mercado ao seu nível mais alto desde o início de 2010, quando uma combinação de medidas de estímulo e reconstrução após o terremoto e tsunami de 2011 levou a um aumento acentuado na demanda por equipamentos.

Por outro lado, a previsão para a Índia foi rebaixada do aumento anteriormente esperado de 15% para um aumento de 11% nas vendas este ano, em comparação com a baixa observada em 2020. Isso se deve à segunda onda de infecções por covid que se espalhou em todo o país no segundo trimestre de 2021.

As perspectivas para o resto do mundo permanecem inalteradas, com expectativa de aumento de 6% por cento nas vendas este ano.

Olhando para o médio prazo

Após 2021, a previsão é de que as vendas de equipamentos continuem em alta no mundo. Isso se baseia amplamente na premissa de que os mercados residenciais permanecerão otimistas, impulsionados em parte por taxas de juros ultrabaixas, enquanto os gastos com estímulo ao redor do mundo serão um gatilho para vendas maiores de equipamentos.

A Off-Highway Research está preocupada com o segmento de construção não residencial após a pandemia. Com tantos funcionários de escritório em todo o mundo adotando tecnologias de videoconferência e trabalho doméstico, há dúvidas se o “novo normal” se manterá assim que os problemas de saúde diminuírem. Parece provável até certo ponto.

Muitos vão querer continuar trabalhando em casa. Tendo obtido sucesso durante os longos meses da pandemia, muitos empregadores estarão abertos a essa ideia, especialmente se isso significar que eles podem economizar dinheiro em escritórios caros. Da mesma forma, as viagens de negócios podem ser permanentemente reduzidas à luz da prática muito mais barata e menos demorada de videochamada.

Tudo isso equivaleria a uma exigência muito menor para vários tipos de estruturas não residenciais, de escritórios a centros de viagens (internacionais e de passageiros) e tudo o que isso acarreta, como restaurantes e hotéis. A necessidade reduzida dessas estruturas afetará o equipamento usado para construí-las, embora muitos dos principais tipos, como equipamento de fundação, maquinário de concreto, guindastes de torre e guindastes de material, estejam fora do escopo da cobertura de pesquisa fora de estrada.

Saúde econômica

Também há incerteza quanto à previsão de médio prazo, pois ainda não está claro qual será o verdadeiro impacto econômico da pandemia. No início de 2021, ainda havia apoio governamental significativo em todo o mundo para proteger empregos e apoiar empresas. É provável que diminua com o passar do ano e, embora os gastos com estímulos amortecem esse golpe, chegará um ponto em que o apoio será retirado e a conta da pandemia terá de ser paga. É provável que isso signifique um período de fraqueza econômica, o que equivaleria a uma redução nas vendas de equipamentos.

Conforme mencionado acima, antes da pandemia, era esperada uma recessão nas vendas globais de equipamentos de construção, mas o pico de 2018-2019 durou pelo menos mais dois anos. Isso pode significar que, quando a desaceleração chegar, haverá um excesso de equipes jovens em frotas ao redor do mundo com muito pouca atividade de construção para preenchê-la. Isso poderia funcionar como uma barreira para as vendas de novos equipamentos, agravando a desaceleração.

Se e em que medida isso acontece, ainda não se sabe. A dificuldade em fazer previsões nesta área é que o fator decisivo será a política governamental nos próximos meses e anos. Este é um desafio assustador em si mesmo, mas ainda mais quando os próprios governos se encontram em território desconhecido e têm de reagir da melhor forma possível à situação à medida que ela se desenvolve.

REVISTA
BOLETIM
Entregue diretamente na sua caixa de entrada, o Informativo Semanal da Construção traz a seleção das últimas notícias, lançamentos de produtos, reportagens e muito mais informações sobre o setor de infraestrutura na América Latina e no mundo.
Reportagens
As 50 maiores construtoras da América Latina - versão 2021
Esta lista apresenta uma queda de 15,2% na receita de 2020 em relação ao CLA50 do ano passado.
Grupo Burger: impulsionando o crescimento
Stacy Burger comenta sobre o crescimento do Grupo Burger e os desafios futuros.
Locar: Solidez e boa gestão
Amilcar Spinetti Filho conversou com a CLA sobre a estabilização do mercado e crescimento futuro.
CONECTAR-SE COM A EQUIPE
Cristian Peters
Cristián Peters Editor Tel: +56 977987493 E-mail: cristián.peters@khl.com
Wil Holloway Gerente de vendasr Tel: +1 312 9292563 E-mail: wil.holloway@khl.com
CONECTAR-SE COM A MÍDIA SOCIAL