Custos em Alta

By Cristián Peters Quiroga09 August 2021

Os crescentes problemas da cadeia de abastecimento podem prejudicar a recuperação da indústria da construção e, com ela, a recuperação econômica de muitas nações ao redor do mundo, de acordo com analistas do setor e associações comerciais da construção. Dizer que estes são tempos complexos pode ser um truísmo. Mas eles são.

La madera ha sido otro material que ha experimentado un fuerte aumento en su valor. A madeira foi outro material que teve um aumento acentuado em seu valor. Foto: Tomasz Zajda

Os desafios vêm de vários campos e com diferentes intensidades. As restrições de mobilidade que podem vigorar em algumas localidades, as complexidades que pode acarretar uma operação de construção que respeite integralmente os protocolos sanitários, a escassez de mão de obra qualificada, a aquisição de equipamentos e hoje, mais do que nunca, a escassez de materiais.

Em meio à crescente demanda, a falta de produtos e materiais de construção acabados está aumentando os desafios, como preços crescentes, medidas contínuas contra o coronavírus e falta de trabalhadores, deixando muitos empreiteiros incapazes de seguir em frente com confiança em projetos importantes. Embora as interrupções na cadeia de suprimentos sejam um problema em quase todos os setores, a fragilidade daqueles que trabalham na construção está sendo exposta e as associações de construção estão buscando ajuda dos governos, especialmente para permitir a revisão dos custos e prazos do projeto.

Quais são os motivos dessas altas?

Segundo especialistas consultados pela Latin American Construction, uma infinidade de fatores influenciaram a alta dos preços dos produtos de construção: eles foram pressionados pela valorização das commodities minerais e metálicas utilizadas nas matérias-primas dos produtos da setor; por um dólar alto; devido à maior demanda por empreendimentos residenciais, com a consequente maior demanda por materiais; por um aumento acentuado no valor do frete; e pelas dificuldades de importação de artigos.

A alta demanda e a falta de estoque de produtos devido à queda nas importações devido às restrições da pandemia são fatores muito importantes. Dado que a pandemia teve rumos diferentes em cada país e as dúvidas em relação a ela são muito elevadas, é difícil determinar o que se pode esperar do comportamento futuro dos preços.

Situação internacional
La falta de materiales y productos de construcción terminados está agravando desafíos en la construcción. A falta de materiais e produtos de construção acabados está aumentando os desafios da construção. Foto: Zhu Difeng

O aumento do valor dos insumos está diretamente relacionado à recuperação dos preços internacionais. À medida que a atividade econômica mundial aumenta, o preço - principalmente - dos materiais importados, como o aço, começa a subir.

Na verdade, de março de 2020 a julho do ano passado, os preços do aço aumentaram cerca de 215%. De acordo com a revista Fortune, o preço de referência do aço laminado a quente atingiu a maior alta de US$ 1.825. Antes da pandemia, era negociado na faixa de US$ 500 - US$ 800. O que aconteceu? Durante o ano passado, quando o mundo enfrentou várias medidas de contenção devido à pandemia, muitas siderúrgicas pararam de produzir, seja por protocolos sanitários ou por medo de uma recessão.

Mas essa queda na demanda não durou muito. As rígidas medidas de confinamento fizeram com que grande parte da população tomasse a decisão de consertar suas casas, com isso os produtos à base de aço eram muito procurados. Essa rápida recuperação pegou as siderúrgicas de surpresa. No entanto, muitos especialistas concordam que o pior do aumento no valor dos insumos importados poderia ter passado e em algum momento eles deveriam retornar aos níveis pré-pandêmicos. Outro ponto internacional a ter em consideração e que não é menos importante, é que as restrições sanitárias têm também provocado um aumento significativo dos custos do frete marítimo, o que também teve um impacto no valor dos fornecimentos e um aumento dos custos relevantes para o sector.

ARGENTINA

Uma recente pesquisa realizada pela Câmara Argentina da Construção reflete claramente os conflitos que a indústria da construção tem enfrentado pela aquisição de insumos, não só pela valorização, mas também pela escassez. De fato, de acordo com o estudo, 74% das empresas declararam ter tido problemas durante o mês de maio com o fornecimento de barras de ferro, 56% disseram que tiveram problemas no caso de tijolos, 46% com cimento e 45% com concreto.

Incluso insumos de producción local han experimentado importantes subidas en su valor. Mesmo os insumos produzidos localmente experimentaram aumentos significativos de valor. Foto: Enrique del Barrio

Em relação aos custos, em maio houve aumento de 3,1%. A variação homóloga foi de 67,4%, enquanto os materiais aumentaram 83,7% e a mão-de-obra 42,1% no acumulado de um ano Em relação às expectativas do setor para os próximos 3 meses, 30% têm expectativa de aumento da atividade, 33% da manutenção do mesmo e 25% acreditam que a atividade diminuirá. Em geral, as expectativas de melhoria são um pouco maiores do que a onda anterior.

BRASIL

O último Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado no início de julho, indica que durante junho a inflação no setor de construção atingiu 2,46%, a mais alta do mês taxa da série histórica iniciada em 2013. Com esse resultado, o Sinapi acumula taxas de inflação de 11,38% no ano e de 20,92% em 12 meses.

A principal influência no resultado do mês veio da participação da força de trabalho, com aumento de 2,60%, a maior taxa em 2021, influenciada pelos acordos coletivos que incluíram o estado de São Paulo. O custo nacional da construção, por metro quadrado, que em maio fechou a R$ 1.387,73, passou para R $ 1.421,87 em junho, sendo R$ 829,19 em materiais e R$ 592,68 em mão de obra.

COLÔMBIA

Os aumentos também foram sentidos na Colômbia.

De acordo com o Índice de Custos de Construção de Habitações (ICCV) elaborado pelo Departamento Administrativo Nacional de Estatística (DANE), o aumento dos custos na construção civil teria sido de 6,75% em relação a junho de 2020. Esse resultado é 3,20 pontos percentuais superior ao o crescimento anual do ano anterior (3,55%) e 3,12 pontos percentuais superior ao crescimento anual do IPC em junho de 2021 (3,63%).

O componente que teve o maior aumento foi ferro e aço, que teve aumento de 37,7%, seguido por tela, com aumento de 31,6%, e fios (29,1%). “Esse comportamento dos custos de construção é insustentável para a execução de empreendimentos, ainda mais se levarmos em conta que o componente que mais cresce é o ferro e o aço, por ser um dos que mais pesam na estrutura de custos de construção de uma casa. Por isso, e como já o referimos, hoje é o principal risco conseguir a construção efectiva dos projectos e cumprir as perspectivas positivas de recuperação que traçámos como sector e cadeia de valor ”, afirmou o presidente da Camacol , Sandra Forero Ramírez.

Essa dinâmica de preços de materiais de construção não aparece de forma generalizada para todos os insumos. Os dados do DANE revelam que, dos 84 componentes utilizados nas obras, apenas três tiveram acréscimos anuais superiores a 30% (ferro, aço e malha).

“A Camacol conhece as atuais condições de preços a nível global e de outras causas que possam explicar parte desses aumentos, porém, as soluções devem reconhecer que devemos atuar em tempo hábil com o sentido do país, para que não afetar a reativação, o emprego e a confiança no investimento mais importante que as famílias fazem: a sua casa ”, conclui Forero.

CHILE

De acordo com o último relatório do MACh da Câmara de Construção do Chile, “os menores recursos destinados ao desenvolvimento das obras interromperam a cadeia produtiva do setor, comprometendo o desempenho do mercado de materiais, com o qual a oferta de insumos para construção caiu, enquanto a demanda continua a aumentar significativamente “.

Em relação aos custos locais enfrentados pelos produtores do setor, o Índice de Preços ao Produtor (PPI) das atividades especializadas de construção mostra aumento anual de 10,9% em abril deste ano, acima de seus padrões históricos de comportamento e do recorde do primeiro trimestre.

“Além disso, a taxa de crescimento anual do índice é superior a três vezes o crescimento anual do IPC para o mesmo período - embora esses aumentos de preços significativos sejam provavelmente transitórios por natureza”, adverte o relatório. Essa alta dos preços dos materiais de construção ocorre em um contexto em que a elevada incerteza global em torno da pandemia tem gerado problemas logísticos de produção e aumentos nos custos de transporte para importação de insumos intermediários. Isso limitou a capacidade de fornecer materiais e suprimentos em nível local.

Portanto, em um contexto de maior demanda por insumos para a construção e reforma de edifícios, verifica-se uma queda nos estoques ou estoques. Esse resultado é consistente com a elevação observada nos índices de preços ao produtor para as atividades de construção civil e obras civis. O CChC estima que o índice de preços dos materiais de construção residencial em altura aumentaria a uma taxa média de dois dígitos durante 2021 (entre 10,5% e 15,1% ao ano).

Esta banda de previsão excede em muito o crescimento esperado para o IPC. Por outro lado, o cenário base para o índice de preços dos materiais de construção residencial em extensão considera um aumento que poderá ultrapassar 14% ao ano em média durante o ano de 2021. A este respeito, cabe destacar que este indicador mede o preço dos materiais de construção para moradias e é feito pelo CChC. Por fim, prevê-se um crescimento médio de 9% a 14% para a construção de edifícios (residenciais e não residenciais) neste ano.

MÉXICO

De acordo com o Índice Nacional de Preços ao Produtor elaborado pelo Instituto Nacional de Estatística e Geografia (Inegi) do México, em junho passado, os preços dos materiais de construção teriam sofrido um aumento de até 25%, de acordo com uma média dos 25 principais insumos . No início do ano os mesmos materiais apresentavam um aumento médio anual de 14,6%, mas com o passar do ano os aumentos foram cada vez maiores. De fato, alguns materiais, como os derivados de alumínio e aço, apresentaram altas de mais de 60% em junho. Os castelos de aço, por exemplo, fecharam o mês em questão com alta anual de 69,2%, enquanto as chapas aumentaram 66,4% e as telas de aço aumentaram 65,2%.

Mercado em crescimento
Rodrigo Navarro Abramat Rodrigo Navarro, da Abramat

O mercado de materiais de construção no Brasil vem crescendo e de acordo com a última pesquisa do Índice, elaborado pela FGV-IBRE e divulgado pela Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat), em junho passado o faturamento da indústria de materiais de construção teria sido de 13,1 % maior que no mesmo mês do ano passado.

A entidade agora tem meta de crescimento de 8% para o ano, o dobro do previsto no início de 2021. “Percebemos a manutenção de um alto nível de demanda, derivado principalmente das reformas internas e da retomada do mercado imobiliário, e da necessidade de reposição dos estoques do varejo”, afirma Rodrigo Navarro, presidente da Abramat. A retomada gradativa das obras de infraestrutura e a revitalização e adequação dos projetos (retrofit) também ajudaram.

Assim, a indústria segue com alto índice de utilização da capacidade instalada e prevemos a manutenção no médio prazo do momento de recuperação que o setor vem experimentando. Segundo o executivo, houve casos específicos de problemas de abastecimento de materiais “causados ​​por externalidades derivadas da pandemia”, mas ele alerta que a indústria manteve seus investimentos para aumento de produção e modernização, com alto aproveitamento da capacidade instalada. Em relação aos custos de mercado, Navarro diz que são o resultado de uma série de fatores maioritariamente externos, alheios ao controle ou ação das empresas, “seja por questões de oferta e procura, preços nacionais e internacionais, fretes, taxas de câmbio., Entre outros. , que têm pressionado significativamente os custos de toda a cadeia da construção. É importante destacar que esses fatores estão afetando os preços internacionais nos mais diversos mercados, e não são exclusivos do nosso país ”.

REVISTA
BOLETIM
Entregue diretamente na sua caixa de entrada, o Informativo Semanal da Construção traz a seleção das últimas notícias, lançamentos de produtos, reportagens e muito mais informações sobre o setor de infraestrutura na América Latina e no mundo.
Reportagens
Movimento elétrico
Os tempos modernos trazem consigo inúmeras inovações. No artigo de Luciana Guimarães, a CLA revê algumas novidades sobre a terraplenagem.
Considerações sobre lança articulada
Orçamentos, tarefas específicas, detalhes técnicos são alguns dos aspectos a serem considerados na compra de uma plataforma
Acess M20: Para cima
Alguns podem considerar 2020 uma anomalia que dificilmente se repetirá. Quanto ao accessM20, também pode ser visto como um sinal dos tempos.
CONECTAR-SE COM A EQUIPE
Cristian Peters
Cristián Peters Editor Tel: +56 977987493 E-mail: cristián.peters@khl.com
Wil Holloway Gerente de vendasr Tel: +1 312 9292563 E-mail: wil.holloway@khl.com
CONECTAR-SE COM A MÍDIA SOCIAL