Novo sistema agrega controles detalhados ao transporte de concreto em betoneira.

Verifi 4

O concreto vai deixando de ser uma commodity e se torna cada vez mais um elemento construtivo de reconhecido valor.

Qualquer um que trabalhe com obras que envolvam concretagem conhece o problema dos concretos que chegam ao canteiro fora de sua definição de traço, levando à rejeição do carregamento, e portanto ao desperdício de tempo e dinheiro.

Um sistema de medição do concreto durante o transporte na betoneira é o que propõe a empresa GCP Applied Technologies, que é especializada em prover sistemas tecnológicos para uma variedade de segmentos da indústria da construção.

Trata-se do sistema Verifi, que desde 2008 quando foi adquirido pela empresa, passou por várias atualizações e hoje está em sua quarta versão. Basicamente, o sistema instala sensores nas betoneiras de uma concreteira, para que durante o transporte o concreto seja medido e controlado em vários parâmetros, e os dados provenientes são levados a uma nuvem de Big Data privada do cliente.

Os principais dados mensurados são relativos à reologia, com algoritmos matemáticos que realizam medições de slump, temperatura, conteúdo de ar na mistura de concreto e outras informações.

Peronalização

“O atual modelo de Verifi está projetado para empresas que têm uma quantidade mínima de 70 caminhões e que estejam em regiões com raio máximo de atuação de 50 quilômetros”, diz Daniel Aleixo, gerente de marketing e tecnologia da GCP para a América Latina. “O maior valor do sistema Verifi para o usuário provém da estruturação de uma estatística de produção associada ao modelo de negócio proposto pela GCP, que propõe mais do que recolher informações, e sim utilizá-las como uma base de dados para a tomada de decisões gerenciais e estratégicas”.

O sistema Verifi está ganhando força em escala global, com mais de 2 mil betoneiras conectadas por seus sensores e algoritmos. Segundo a GCP, até meados de 2017 cerca de 21 milhões de metros cúbicos de concreto haviam sido descarregados em muitas obras com o uso desta tecnologia.

Um ponto interessante do sistema é o baixo investimento e a personalização. De acordo com a empresa, o pagamento que uma concreteira faz à GCP Applied Technologies se dá por sistema de comodato. Ou seja, o cliente paga apenas pelos benefícios reais que a tecnologia lhe produza, de acordo com as medições do próprio sistema.

E quanto à personalização, a equipe de profissionais da GCP se responsabiliza por ajustar o sistema às necessidades da frota de betoneiras do cliente. “O Verifi se ajusta aos equipamentos dos clientes, não o contrário”, afirma o executivo.

Verifi 2

Uma betoneira com o sistema Verifi instalado. Promessa é garantir volumes e controles sutis do concreto.

“Os principais diferenciais para os clientes é que seu processo de produção de concreto fica muito mais otimizado, e garante que o que entregam não tem nenhuma diferença em relação ao que foi contratado. O acesso online para o cliente durante o processo de entrega agrega transparência, em tempo real”, afirma Aleixo.

A introdução deste sistema nos mercados da região é um fator a mais a indicar a necessidade urgente de pôr critérios mais rigorosos sobre as práticas de concretagem. Já está ficando no passado o tempo em que o concreto era uma commodity sem nenhuma especificação. Muito ao contrário: como principal material da maioria das construções, o concreto vai continuar tendo reconhecido seu valor econômico fundamental, com cada vez mais tecnologias agregadas.

Temas