Uma escova de dentes e um par de jeans nos encaminham em direção à sustentabilidade. 

img-3098a KNAUF VEOLIA

O isolamento tem um papel vital na conservação de energia, na eficiência térmica e acústica, e na luta contra a escassez de combustíveis representa um fator essencial. O mercado de isolamento térmico faturou mais de US$23,8 bilhões em 2016 e as projeções são de que chegará a US$29,6 bilhões em 2022, segundo a empresa de pesquisas Markets and Markets.

Entre alguns dos materiais mais comuns usados em isolamento estão as placas de gesso laminadas e as lãs minerais. Mas também há soluções alternativas de alto desempenho que já podem ser encontradas seja no campo ou no seu próprio armário.

Opções

A lã de ovelhas, por exemplo, pode ser utilizada tanto em muros como em forros, e se popularizou no Reino Unido e na Nova Zelândia, com marcas como Thermafleece, Black Mountain e Insulwool.

Geralmente o material é composto de 75% a 100% de fibras naturais, com o resto do conteúdo reciclado. De fácil manejo, ela se destaca por sua alta eficiência térmica, ou seja, por evitar a transferência de temperatura do exterior para o interior de uma moradia deixando uma pegada de carbono muito baixa, já que absorve carbono naturalmente e sua fabricação gasta apenas 15% da energia necessária para fabricar produtos mais tradicionais.

Uma segunda solução vem da família do jeans. Geralmente em uma reciclagem de 80% de algodão e fibras, o isolamento feito de brim se iguala ao da lã de ovelha e supera em desempenho os produtos convencionais, sem contar que são respaldados por padrões para resistência ao fogo, fungos e pragas.

Além de economizar energia, o isolamento de brim reciclado ajuda a desviar o lixo têxtil dos aterros sanitários e é completamente reciclável. Nos Estados Unidos, por exemplo, o programa Blue Jeans Go Green recolhe jeans por todo o país para transformá-lo em Ultra Touch Denim Insulation, fabricado pela Bonded Logic.

img-3225a KNAUF VEOLIA

Embora a lã de ovelha e o brim sejam isolantes pouco comuns, a opção da Brighton Waste House, do Reino Unido, é ainda mais radical. O projeto pesquisa estratégias para construir um edifício com baixo uso de energia, utilizando materiais de descarte. Como resultado, alguns muros foram preenchidos com materiais isolantes como pilhas de antigos videocassetes e cerca de 20.000 escovas de dentes.

É cada vez mais importante considerar a origem dos materiais isolantes (do que são feitos e como foram feitos), já que muitos deles geram contaminação e consomem muita energia na sua fabricação. A boa notícia é que há muitas opções não tóxicas que também são fáceis de descartar ao fim de sua vida útil”, assinala Duncan Baker-Brown, projetista da Waste House, arquiteto da BBM e acadêmico da Universidade de Brighton. “O isolamento é apaixonante, porque pode ser uma ‘vitória’ fácil se você se preocupa com o meio ambiente”, completa.

Um bom exemplo desta tendência é o projeto conjunto da Knauf Insulation com a companhia de gestão de recursos Veolia, que anualmente evita que o equivalente a 350 milhões de garrafas sejam enviadas para aterros sanitários, ao mesmo tempo que maximiza o uso de vidro reciclado em vez de usar materiais virgens. “Esta inovadora nova instalação representa um grande investimento na economia verde do Reino Unido, o que é bom para os empregos, bom para a comunidade e bom para o planeta; A Knauf Insulation está estabelecendo o padrão para que outros fabricantes sigam o mesmo caminho”, disse Estelle Brachlianoff, vice-presidente executiva da Veolia UK & Ireland.