My Sandvik, Optimini e Automine pretendem aumentar a produtividade, reduzindo a zero o risco de segurança.

No início de dezembro, cerca de 200 líderes da indústria da mineração na América Latina reuniram-se em Santiago do Chile para trocar conhecimentos e experiências em torno a digitalização em mineração no evento Trough the Rock, reunião de dois dias organizado pela companhia sueca Sandvik.

IMG_7984

O evento teve foco na vanguarda da tecnologia na indústria de minérios, onde a viagem à digitalização já tem cerca de 20 anos de desenvolvimento. “A digitalização está ajudando às companhias a crescer e melhorar suas operações”, disse Patricio Apablaza, Vice-presidente, Área de Vendas Andina e Cone Sul, Sandvik Mining and Rock Technology, no início do evento. “Nossos sócios estão aqui porque sabem que isto é fundamental para que suas minas sejam sustentáveis”, agregou.

“Cerca de 95% dos acidentes acontecem por erro humano”, assinalou Óscar Castañeda, Diretor de Tecnologia Estratégica da Codelco. É por esse motivo que o lançamento de My Sandvik, Optimine e Automine é fundamental para aumentar a produtividade de forma autônoma em qualquer mina do mundo. My Sandvik é definido como os olhos da operação, devido a que entrega uma visão íntegra do equipamento, além de fornecer dados confiáveis que estão disponíveis 24/7 no site da empresa. Em tanto, o Optimine, considerado o cérebro das operações, busca dar uma boa utilização a esses recursos, analisando e melhorando os processos, o que dá mais transparência para o trabalho de máquinas que estão em lugares de difícil acesso.

IMG_8148

No entanto, o fortalecimento remoto dos equipamentos e frotas, desde a comodidade e segurança de estar fora da mina, são o pilar do desenvolvimento do sistema nervoso central da mina, o Automine, que controla as frotas e equipamentos, aproveitando o rendimento de cada máquina ao intervir inclusive no tráfico e troca de brocas, tudo de forma 100% autônoma.

Finalizado o evento, a empresa anunciou que projeta um novo centro de produtividade na América Latina, que deve processar dados para estes sistemas que pretendem, por sobre tudo, melhorar a indústria.