Segundo banco, Colômbia, México e Brasil são referências neste campo.

De acordo com o Banco de Desenvolvimento da América Latina, conhecido como CAF por seu antigo nome, a Colômbia é a hoje a referência em investimentos em infraestrutura aeroportuária na América Latina. O país concentra 16% da participação de todos os investimentos na região de aqui a 2040.

Tomando-se apenas a região andina, que tem também Equador, Peru, Venezuela e Bolívia, a Colômbia concentra 52% dos investimentos. “Dos 70 projetos para esta parte da América Latina, um total de 32 estão na Colômbia e são principalmente relativos a novos terminais e pistas para os aeroportos de Bogotá, Cali e Medelín”, diz a CAF.

O banco coloca a Colômbia, o México e o Brasil entre os principais investidores em aeroportos, com 70% de todo o capital direcionado a esta área desde 2016 até 2040, numa estimativa que considera cerca de 220 projetos só nestes países.

Para a CAF, a taxa de crescimento de passageiros em aeroportos será de três vezes até 2040. Em função disto, o banco recomenda investimentos de cerca de US$ 53 bilhões. “Atualmente, US$ 13 bilhões se encontram em execução e a metade dos investimentos necessários, ou seja, US$ cerca de 26 bilhões, deveriam ser executados até 2026”.

Deste total, 69% seriam destinados para construção e ampliação de terminais de passageiros, enquanto obras em novas pistas compreenderiam 17% do total. As áreas logísticas consumiriam 6% destes capitais, segundo a CAF.