As empresas chegaram a acordos para fixar preços entre janeiro de 2010 e dezembro de 2012.

Cemex

No início de dezembro, o governo colombiano em mais de US$ 66 milhões as cimenteiras Argos, Cemex, Holcim e a alguns de seus diretores por fixar preços de maneira oculta, com prejuízo para os consumidores. A informação é da Superintendência de Indústria e Comércio do país. As empresas, que representam 96% do mercado colombiano, chegaram a acordos para fixar preços entre janeiro de 2010 e dezembro de 2012, período em que o valor do cimento subiu 29,9%, enquanto a inflação no mesmo lapso de tempo foi de 9,3%.

“A Argos, a Cemex e a Holcim e alguns de seus diretores não ofereceram uma explicação economicamente razoável ou verídica que justificasse o paralelismo de preços, nem a maneira como se fixam os preços no interior de tais empresas”, disseram as autoridades.

A Cementos Argos e a Holcim anunciaram separadamente que vão interpor recursos legais contra a decisão, para demonstrar que procederam corretamente e que não cometeram atos ilegais.

Se a decisão se confirmar, no caso da Cemex, que também deverá recorrer, a companhia de origem mexicana afirmou que a sanção que vier não terá resultados operacionais, nem de liquidez nem de ordem financeira.